“A Pele que Habito” (La Piel que Habito)

Ambrosia Ambrosia "A Pele que Habito" (La Piel que Habito)

A Pele que Hábito (2011) – La Piel que Habito –  é um filme espanhol dirigido por Pedro Almodóvar que dramatiza a questão da cirurgia plástica e suas implicações na personalidade e história do indivíduo, uma banalidade da atualidade.

Além do próprio Pedro, o roteiro contou com Agustín Almodóvar – irmão do diretor – e Thierry Jonquet, o autor da novela da qual se adaptou o filme do diretor espanhol. Agustín participou como produtor de muitos longas do irmão, mas nesse participa do texto.

As filmagens foram feitas em território espanhol, junto com a produção do trabalho, que contou com apoio particular – Blue Haze Entertainment, Canal+ España (atual Digital+) – e de incentivo público – Instituto de la Cinematografía y de las Artes Audiovisuales (ICAA).
a-pele-que-habito2

A sinopse é: O cirurgião plástico Robert Ledgard (Antonio Banderas) mantém em segredo e enclausurada uma paciente chamada Vera (Elena Anaya), que aparentemente é um desafio cumprido, do ponto de vista cirúrgico a esposa de Ledgard, queimada num acidente com participações confusas, renovada. Bem como, a história de um moço desaparecido, Vicente (Jan Cornet), é contada paralelamente. As duas histórias parecem colidirem com a aparição do passado da empregada de Robert, Marilia (Marisa Paredes): seu filho, foragido, aparece na mansão do cirurgião e num intento de assalto liberta e estupra Vera; isso é o momento própicio para verdades escondidas, ou mudadas, virem a tona.

21

O tema do longa é óbvio: a questão da aparência versus essência. Porém, com o histórico feminino de Pedro Almodóvar, a trama clichê – nunca fútil –  das poltronas modernas ensaia o drama da persona não-identificável: quando não nos aceitamos ou nos reconhecemos como somos em um certo momento e nos procuramos no que construímos ou escolhemos. Vera é essa problemática, tendo Ledgard como seu carrasco e libertador.

Nesse mesmo ponto é digno de nota o caráter moral da história: Vicente não é uma vítima, possui seus pecados e sua paga. Contudo, seria seu fim merecido? Melhor: estamos dispostos a enfrentar as malezas à personalidade que as vãs decisões tomadas no calor do momento trazem?

Ainda é digno de mencionar a delicadeza da dita real transformação que traz a cirurgia plástica sem sentido. E o romantismo das relações humanos que produzem a ida até incertas consequências pelo afeto do ente querido, mesmo que um pecador perante nós. Drama esse popularmente digno do dramalhão feminino, mas que nessa obra de Pedro, ganha o protagonismo do homem, em última instância.

vol_a_pele_onde_eu_vivo_gf_2

As atuações são ótimas. A coadjuvante Marilia, ganha o clímax nas aparições de Paredes. Jean Cornet é simplesmente um rosto bonito bem empregado. Elena Anaya na pele de Vera é desconfiada, inocente e linda: a vítima natural. Antonio Banderas transforma Robert Ledgard no galã intelectual e sentimental, certeiro ao papel de pai e marido, logo amante, e depois um saudosista irresponsável.

Uma obra de Pedro Almodóvar de seu currículo, bem como do cinema, ao receber o drama da ética, moral, da emoção e da psiquê.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=EolQSTTTpI4[/youtube]

#Novidades

Handmaid’s Tale 3ª Temporada | Crítica feat Mikannn e Seriemaníacos

Vem saber o que achamos da terceira temporada de The Handmaid's Tale! Nossas frustrações com a temporada: https://youtu.be/E8cJkPug8dk Teorias pra 4ª Temporada: https://www.youtube.com/watch?v=IM7NoYhlo4A Canal do Michel: https://www.youtube.com/seriemaniacos Canal...