em ,

UauUau

Sob a sombra de O Senhor dos Anéis – como a trilogia mudou tudo há duas décadas

20 anos se passaram desde aquele inicio arrebatador sobre a história dos anéis do poder. Não é fácil situar o papel de O Senhor dos Anéis (2001-2003) no contexto do cinema comercial e dos blockbusters atuais.

A identidade artística da trilogia foi confundida com o fandom do trabalho de Tolkien que tinha antes e o que gerou depois. A verdade é que após a estreia de A Sociedade do Anel (The Fellowship of the Ring, 2001), muitas coisas aconteceram, e entre outras, a trilogia de The Hobbit do mesmo Peter Jackson e o anúncio de uma nova série da Amazon.

O significado da aquela estreia, frente ao giganteso blockbuster como uma imagem da trilogia de referência de todos aqueles anos..Nunca mais haverá algo parecido com o que muitos sentiram em frente às telas de cinema no Natal de 2001 a 2003. Na verdade, foi tão bom assim ? O que Peter Jackson fez, foi o mesmo que na trilogia de O Hobbit, e talvez não tivesse tanto sucesso no início.

Jackson e seu estilo

O estilo de Peter Jackson estava um tanto envelhecido, mesmo megalomaníaco, muitos dos efeitos especiais usados estavam desatualizados. Mas a verdade é que, desde então, no final de cada ano, esperávamos um filme que fosse do mesmo jeito. O equilíbrio entre o sucesso crítico e comercial nunca se repetiu; os filmes de Harry Potter foram um sucesso comercial, mas apesar de seu impacto, não receberam uma crítica consistente e nunca recebeu prêmios.

A nova saga de Star Wars não foi, o que a Disney pensou e o universo Marvel não tem um prestígio artístico à altura de seu impacto cultural.

Talvez o único filme que tenha reconhecimento da crítica e do público foi Mad Max: Estrada da Fúria, mas precisamente seu sucesso significava uma resposta à massificação dos efeitos digitais. Se seu diretor George Miller foi elogiado, foi mais por oferecer a alternativa da ação real em seu filme. Foi o maior vencedor do Oscar em 2016, com seis estatuetas, perdeu o prêmio de melhor filme com um telefilme como Spotlight: Segredos Revelados.

Já o The Return of the King varreu o Oscar em 2004; ganhou 11, sendo um marco para filmes de fantasia e uma mudança de direção que, exceto por A Forma da Água não acabou de ser realizada. No entanto, esses prêmios, que na verdade foram um reconhecimento simbólico de um esforço sem precedentes na história do cinema, ainda validam a trilogia. E foi Jackson que trouxe todo esse estilo megalomaníaco.

Uma aposta kamikaze


The Lord of the Rings mudou o entretenimento. Abrindo as portas da fantasia para o público em geral; de tal forma que ninguém hoje fica enojado de ir ver Os Vingadores (The Avengers, 2010) ou ficar viciado na TV para Game of Thrones (2010-2019). O geek parou de ser geek. Quadrinhos, espada e bruxaria entraram no mainstream e ninguém mais se sente envergonhado de ir a estreias vestido como seu personagem favorito. Mas antes de sua estreia, o cenário era diferente, mais sóbrio e, de certa forma, ingênuo.

Jackson propôs inicialmente uma adaptação em duas partes, mas quando a New Line Cinema começou a produzir, O Senhor dos Anéis se tornou uma trilogia. Isso permitiu à equipe escrever e filmar os três filmes ao mesmo tempo. Um movimento arriscado no mercado mas que permitia corrigir coisas e criar uma continuidade entre capítulos pouco antes visto até então, jogando com a identidade de ser uma história única dividida em três filmes, mas cada um com seu próprio arco, funcionando como uma única narrativa.

Isso também criaria uma febre por trilogias que os estúdios raramente compreenderam. O projeto de O Senhor dos Anéis teve uma produção surreal de 438 dias que começou em outubro de 1999; com Jackson a cargo de um ambicioso planejamento na Nova Zelândia que impulsionou os negócios locais e desenvolveu uma das empresas mais famosas de efeitos especiais do mundo, a Weta; da mesma forma que George Lucas desenvolveu a sua Light and Magic. Uma revolução da qual ainda vemos consequências.

A transformação do filme-evento

Pela quantidade de material a ser adaptado; os filmes foram desenvolvidos para terem em média três horas, algo que intrigava na época, mas agora temos até em filmes de terror como ‘It’ (2017-2019), filmes de super-heróis etc. A indústria do cinema mudou após o sucesso do filme de Jackson. Não apenas a linguagem dos filmes de ficção científica e fantasia, como também a forma de anunciar um filme sem se expressar como parte de algum tipo de propriedade ou franquia maior. .

Os super-universos conectados, com suas marcas, franqueados e remakes se movem em torno da mesma ideia. Mas nem todos são capazes de replicar a magia do milagre que aconteceu em 2001. Um tempo em que o mundo entrou em um pós-11 de setembro sombrio que seguiu ainda com uma crise econômica – e social, e humana -, onde o fantástico é uma válvula de escape.

Mas no cerne do sucesso da trilogia estão seus grandes momentos, movidos por personagens puros, que fazem com que os confrontos entre exércitos tenham mais profundidade emocional. As atuações de um elenco com Elijah Wood, Viggo Mortensen, Christophe Lee, Cate Blanchett, Orlando Bloom, Ian McKellen ou Sean Astin tornam-no inesquecível. Acreditamos que todos que estão lendo ese artigo, sente saudades de viajar com eles, uma nostalgia da experiência daquela irmandade  que se comunicou de forma natural e crível, apesar do tom quase recitado.

Sua relevância

O roteiro de  Fran WalshPhilippa Boyens e Jackson conecta com equilíbrio as várias histórias entrelaçadas. Conseguindo resgatar os momentos-chave do romance em uma narrativa harmoniosa, com bastante emoção e sentimento e talvez um certo excesso no final.

Cenas inesquecíveis; como o confronto com o Balrog; a Batalha de Helm, a Batalha de Gondor; a batalha de Isengard; entre outras, ainda não foram comparadas em escala. A montagem feita na época consegue ainda se equiparar com filmes contemporâneos. Mas agora é muito mais fácil recriar com pinturas digitais e cenários de tela verde.

Jackson optou por construir maquetes, conjuntos, centenas de peças altamente detalhadas e trazer maquiadores de primeira linha para recriar a clássica história de JRR Tolkien. Sim, o CGI é mais perceptível nas atuações de Gollum, que, embora surpreendentes na época; hoje são assimiladas e aperfeiçoadas. Porém, nem tudo é renderizado e a qualidade das texturas falham em algumas cenas; mas a beleza dos designs, o trabalho de pré-produção e a coerência cromática que faz com que cada um dos filmes tenha seus próprios códigos visuais.

Um marco

Jackson veio do terror e traz com os Nazgul, o Pântano dos Mortos, Laracna ou  Sauron, sejam assustadores e memoráveis. Agora pode parecer mais um filme comercial, mas apresentar uma cena com um orc grotesco com um tumor grande em seu rosto como personagem para um blockbuster de Natal não era comum.

Duas décadas se passaram e, independentemente do que pode competir visualmente atualmente; mas a trilogia de O Senhor dos Anéis continua sendo um evento cultural inimitável. Nem mesmo Peter Jackson conseguiu superar; ou mesmo chegar perto, e não se manteve com o que conquistou vide o Máquinas Mortais; provavelmente o pior projeto associado ao seu nome. Podemos nunca ter nada parecido, mas poucos conseguirão nos surpreender como ele em seus primeiros cinco minutos de A Sociedade do Anel, uma conquista que requer não só tecnologia, mas uma imaginação única para algo daquele tamanho e escala; reiventando a epopéia no cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *