em , ,

TopTop CurtiCurti UauUau

A Jornada de Vivo é adorável aventura cheia de latinidade

Lin-Manuel Miranda já fez muito pelo mundo do entretenimento em pouco mais de 40 anos de vida. Vencedor do prêmio Pulitzer pelo musical Hamilton e a apenas um Oscar de distância da glória do EGOT, ele também trabalha em prol da divulgação da latinidade em todas as suas cores e formas. Além da animação vindoura Encanto, Lin compôs as canções e deu voz ao personagem principal da adorável animação A Jornada de Vivo.

Vivo é um jupará – animal da família do quati e do guaxinim, encontrado na América Latina – que se apresenta junto ao músico Andrés numa praça de Havana, Cuba. Um dia, Andrés recebe uma carta de uma velha conhecida, a cantora Marta Sandoval, convidando-o para seu último show em uma casa noturna de Miami. Andrés sempre foi apaixonado por Marta, mas nunca teve coragem para confessar seu amor, preferindo escrever uma canção sobre seus sentimentos. Andrés fica decidido a reencontrar Marta e lhe dar a canção que compôs para ela, mas falece na véspera de sua viagem. Vivo assume então a missão de levar a canção, junto à sobrinha-neta de Andrés, Gabriela.

A animação é bem feita, ao estilo do estúdio Sony Pictures, que mais cedo este ano lançou também na Netflix a animação A Família Mitchell contra a Revolta das Máquinas. O 3D da animação é convencional, mas há momentos de animação em 2D que dão brilho extra e vigor renovado ao filme quando aparecem.

A latinidade está presente em A Jornada de Vivo em especial no ritmo das canções. Poderia haver mais exploração das características de Cuba, como as paisagens e a cultura cubana, mas preferiu-se transportar a maior parte da ação para a Flórida, com aparição de animais típicos das baías pantanosas do local, como cobras píton e aves colhereiras. O design dos animais é muito bom, e todos os seus movimentos são fluidos e naturais.

As músicas são bastante memoráveis, ficando na nossa cabeça após o fim da projeção. Há uma boa mistura de ritmos latinos, música eletrônica e rap. As pequenas vilãs não são muito malvadas, de modo que não há antagonismo forte para atrapalhar a jornada de Vivo – uma jornada que com certeza agrada a todos que a assistem.

Nota: Excelente – 4 de 5 estrelas

A Jornada de Vivo é adorável aventura cheia de latinidade
4 / 5 Crítico
Avaliação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *