Echo – uma oportunidade perdida da Marvel

62
0

Maya Lopez deve enfrentar seu passado, reconectar-se com suas raízes nativas americanas e abraçar o significado de família e comunidade se quiser seguir em frente.

Depois de um ano de 2023 bastante decepcionante para a Marvel Studios, a gigante americana inicia 2024 com a minissérie Echo. O projeto pretende ser uma sequência das últimas aventuras do Gavião Arqueiro, além de lançar novos projetos em um futuro próximo. No entanto, o principal interesse em Echo reside no seu nível de violência, uma promessa que, infelizmente, não é cumprida.

Perseguida pela organização de Wilson Fisk, o Rei do Crime (Vincent D’Onofrio)após o suposto assassinato dele, Maya retorna à sua cidade natal para reavaliar sua vida e enfrentar os criminosos que ameaçam sua comunidade. No entanto, ela não sabe que Fisk ainda está vivo e a caça.

Infelizmente a série se mostra mais um produto de marketing do que um entretenimento que satisfaz. Uma campanha publicitária eficaz foi utilizada para vender a série. Trailers impactantes e inúmeras opiniões prometeram uma obra visual que, na prática, ficou aquém das expectativas.

Conheça ECHO, a incrível heroína da Marvel! - AficionadosAo longo de cinco episódios, acompanhamos Maya Lopez retornando à sua comunidade para confrontar uma poderosa organização criminosa de Nova York. Pelo menos, isso é o que os espectadores esperavam. Na realidade, o que temos é um drama onde Maya se reconecta com seu passado e suas raízes nativas americanas é às histórias e mitos da criação dos Choctaw, o programa celebra a cultura indígena. Essa premissa, embora interessante, falha em nos transportar para o cenário de violência prometido.

Fisk, o antagonista da série, é apresentado de forma muito mais contida do que nas séries da Netflix. Em Echo, ele é um lobo preso com focinheira, mais temido por sua reputação do que por suas ações efetivas. Da mesma forma, Maya Lopez, interpretada por Alaqua Cox, carece da ferocidade que a série precisava. É lamentável, pois Cox oferece uma atuação sólida, mas limitada pelo roteiro e direção.

Outro aspecto desapontador é a exploração da herança indígena de Maya. Reduzida a alguns flashbacks introdutórios e uma moral simples no episódio final, essa herança cultural é tratada superficialmente. O avô de Maya, que vende objetos ancestrais a turistas, é um dos poucos elementos que representam essa rica cultura. A série apresenta outros membros da família de Maya, trazendo leveza e sorrisos, mas não conseguem camuflar o vazio presente na trama.

Em termos de violência, Echo é, como mencionado, principalmente um produto publicitário. Excluindo algumas sequências intensas usadas nos trailers, há pouca ação real. Echo é, francamente, equivalente a qualquer outro produto da Disney, com um toque adicional de sangue para aparentar ser mais ousada do que realmente é.

A abordagem da inclusão é interessante: tanto o personagem dos quadrinhos quanto a atriz são surdos, o que traz uma autêntica representação para a tela. No entanto, a falta de audição é utilizada como um artifício durante as cenas de luta, frequentemente desligando totalmente o som para enfatizar a surdez da personagem. Embora a intenção seja mostrar a perspectiva de Maya, isso acaba tornando as cenas monótonas. O som é um elemento crucial para a imersão do público, e a ausência prolongada de áudio pode desconectar os espectadores, que não estão acostumados a uma experiência tão silenciosa.

Echo Episodes 4-5 Review - IGN

Decepção é a palavra que melhor caracteriza Echo. Quando temos expectativas altas, muitas vezes elas não são atendidas. Infelizmente, esse foi o caso com Echo, resultando em uma avaliação dura, mas justa. A Marvel perdeu uma grande oportunidade de criar algo realmente memorável, deixando os fãs com um sentimento de que faltou algo essencial.

Echo (2024)

Echo (2024)
55 100 0 1
Nota: 5.5/10 Regular
Nota: 5.5/10 Regular
55/100
Total Score iRegular
Cadorno Teles
WRITTEN BY

Cadorno Teles

Cearense de Amontada, um apaixonado pelo conhecimento, licenciado em Ciências Biológicas e em Física, Historiador de formação, idealizador da Biblioteca Canto do Piririguá. Membro do NALAP e do Conselho Editorial da Kawo Kabiyesile, mestre de RPG em vários sistemas, ler e assiste de tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *