em ,

"A Câmera de Claire" e a simplicidade contundente de Sang-soo Hong

“A única forma de mudar as coisas é olhar para tudo novamente bem devagar.” Essa é a frase dita pela personagem Claire a Manhee. Sob o prisma da revisão de conceitos se delineia a narrativa de “A Câmera de Claire” (La Caméra de Claire, França/Coreia do Sul, 2017), do diretor Sang-soo Hong.
Em Cannes, os caminhos de duas mulheres se cruzam. A professora parisiense Claire (Isabelle Huppert) passa o tempo fazendo fotografias com uma câmera Polaroid. A coreana Jeon Manhee (Minhee Kim) é recém despedida por sua chefe, sem revelar o real motivo da demissão. Elas se tornam amigas e o hobby de Claire influi para que a jovem Manhee tenha uma maior compreensão da vida.

Em apenas 69 minutos, Hong, que também assina o roteiro, discorre sobre entendimentos e pontos de vista através de sua câmera minimalista. Essa simplicidade é usada para se coadunar com os dilemas cotidianos (mas não propriamente banais) que geram tanta angústia. O cinema de Hong não é para todos os gostos. Há os que não perdoam o ritmo que imprime em suas histórias, considerado arrastado por muitos. Também é atacado por parecer às vezes vago, segundo alegações de alguns. Para outros, sua frugalidade cinemanovista – com planos longos, iluminação com luz naturalé justamente seu trunfo, trazendo um sopro de relevância ao cinema coreano.
Nesse filme ele está à vontade com duas atrizes com quem já trabalhou em produções anteriores. Isabelle Huppert (que brilhou no recente “Elle”, atuação que lhe rendeu um Globo de Ouro e uma indicação ao Oscar) foi a protagonista de “A Visitante Francesa”, de 2012. Minhee Kim (de “A Criada”) esteve em “Na Praia à Noite Sozinha” e “Certo Agora, Errado Antes”. Hong extrai atuações naturalistas de ambas. É um deleite assistir as performances de duas gerações de atrizes de talento indiscutível. Uma estabelece o contraponto das personagens e pode parecer clichê: a coreana tímida e a francesa expansiva. Mas, ao mesmo tempo, uma é complemento da outra, gerando uma interação curiosa. Também é válido destacar o esmero de Jin-young Jun no papel do diretor So. Toda a aflição e desconsolo escamoteados sob um manto de serenidade tornam o personagem crível e de fácil compreensão, apesar da complexidade.
“A Câmera de Claire” é exitoso nos aspectos a que se propõe e na execução de sua linguagem peculiar. Além de propor uma pertinente questão sobre as relações interpessoais em diferentes âmbitos.

Deixe sua opinião

Publicado por Cesar Monteiro

Graham Nash vai ganhar nova coletânea com raridades

Top Gun 2 revela sua primeira imagem oficial