em

A Origem: A obra-prima de Christopher Nolan

“Qual é o parasita mais resistente? Uma idéia.” No momento em que as luzes se acenderam na sala de projeção, pensei: Christopher Nolan é um gênio; mas não digo olhando para o sentido banal que a palavra genialidade ganhou nos tempos atuais. Nolan é de fato um gênio da sétima arte. O adjetivo se justifica talvez pelo plot brilhante e extremamente original, ou pela execução magistral de um mestre; entretanto, creio que não seja exatamente por isso. A história toda gira em torno de uma equipe que trabalha navegando pelos mares do subconsciente humano, extraindo idéias valiosas e as vendendo para poderosos industriais.

Eis que, por um infortuito, Cobb (Leonardo DiCaprio), o líder da equipe, vê em uma proposta assaz desafiadora sua volta para casa; sua cobiçada aposentadoria. A proposta? Ao invés de extrair uma idéia, ele deveria implantar uma. O procedimento para tal é chamado então, de Inception. O que muitos não perceberam, entretanto, enquanto tomados pela perplexidade diante de conceitos tão revolucionários, é que nós mesmos vivíamos em um sonho; e neste, Nolan era o próprio arquiteto. Experienciamos literalmente uma Inception. A idéia que nos foi implantada? Que A Origem é o melhor filme da década.

Diferentemente do que muitos esperavam, A Origem é um filme linear. Não temos múltiplas linhas narrativas exibidas em um recorte caótico, como no também fantástico Amnésia. Mas assim como sua história conta, a película exibe múltiplas camadas de interpretação, principalmente no que concerne o final. Antes de adentrar nas peculiaridades do roteiro, queria tecer alguns comentários acerca da história em quadrinhos oficial (ela pode ser lida gratuitamente aqui), que serve de prequel para o filme, entitulada The Cobol Job. O título faz referência a uma das empresas que persegue Cobb durante o longa, mas também à extinta linguagem de programação COBOL (do inglês, COmmon Business Oriented Language – Linguagem Orientada aos Negócios).

A HQ não chega a acrescentar nada de significativo à história, mas deve ser lida como canônica. Nas páginas digitais, com desenhos que deixam muito a desejar – principalmente no que diz respeito à anatomia – vemos o serviço que Cobb e sua equipe faz para a empresa rival do Sr. Saito (a Cobol Engeneering ), e o evento que antecede o encontro de tais personagens. As informações que Cobb tanto procura no começo do filme devem ser obtidas após uma tentativa mal sucedida de extração para com um dos engenheiros de Saito, o Sr. Kaneda. Diante da não existência de tais dados na mente do empregado, Cobb é obrigado à adentrar no subconsciente do próprio Saito. Eis então o link para o começo de A Origem.

E o que o filme em si, conta? Fala sobre uma simples idéia: a de que é possível compartilhar sonhos através de uma máquina cujo funcionamento não é descrito no longa, mas pouco interessa. Sendo assim, terceiros tornam-se aptos à criarem mundos imaginários, necessários para a correta extração de segredos de uma mente alvo; ou, no caso, a implantação de uma concepção. E se tal conceito não fosse por si só genial, Nolan vai além ao extrapolar sua função ao infinito, criando sonhos dentro de sonhos dentro de sonhos, apresentando novos conceitos a todo momento. Isto concede ao roteiro um brilhantismo inato, mas também estimula uma liberdade de direção quase utópica. Nolan consegue exibir cronologicamente e simultaneamente três níveis diferentes de ação e tensão, o que eleva ao cubo os obstáculos a serem superados pelo herói. O diretor faz uso de argumentos semânticos para intensificar a concepção de quadros dinâmicos em uma película. Se Cameron revolucionou o cinema com sua tecnologia – e ao mesmo tempo permitiu o uso desenfreado de tal evolução, Nolan revolucionou a forma de se contar uma história, e isso, creio que seja naturalmente elitizado, ou melhor dizendo, exclusivo de sua mente essencialmente criativa.

O que acontece é que o diretor cria um conceito dentro de outro, ao mesmo tempo em que percorre os diversos níveis dos sonhos. A ideia de que o que o seu corpo vivencia no mundo real possui conseqüência direta – correlacional com a verdadeira sensação, e atuante como um personagem dentro do próprio sonho – é colocada diversas vezes na tela, e de forma extremamente natural e profundamente intensa. Um exemplo é quando um personagem é mergulhado; a mente produz um efeito direto no desenvolver do sonho, geralmente explicitando o seu fim através de um tsunami absurdo. Utiliza também da mitologia dos sonhos ao explorar o fato intrigante da “queda” estar relacionada intimamente com o momento do despertar, resumindo em uma técnica chamada de “chute”; os efeitos da gravidade podem ser anulados caso o ambiente onde os personagens estão dormindo fique instável. A cena de perseguição no primeiro nível de sonho ilustra isso muito bem.

A trama é amplamente detalhada e perfeitamente crível. O argumento convence o espactador de que aquilo é possível, não simplesmente por causa do roteiro em si, mas devido à harmonia épica de todos os elementos que formam o produto final: direção, trilha sonora impecável (composta pelo mestre Hans Zimmer), roteiro brilhante e atuações perfeitas. Sim, Leonardo DiCaprio convence como protagonista. Convence como um pai de família marcado por más escolhas feitas no passado. É claro o fardo que Cobb carrega durante o filme. Mérito do ator e mais um ponto para Nolan, naturalmente.

O artigo se reservará agora à comentar mais profundamente alguns conceitos expostos no filme. Portanto, as linhas que se seguem estarão recheadas de SPOILERS!

Ariadne (Ellen Page) projeta os três níveis de sonhos, mas os papéis são trocados diversas vezes entre os personagens na medida em que eles vão avançando nas camadas de irrealidade. Arthur e Eames chegam a desempenhar o papel de arquiteto, fazendo mudanças eventuais quando necessário. Fica claro que esta função específica, é, na verdade, a mais importante de toda a operação. Sem o arquiteto o mundo desmorona. É ele quem guarda o sinal do despertar, pois é sempre o arquiteto quem exibe o fone de ouvido em uma camada inferior do sonho.

Nolan com uma câmera analógica

As mudanças de ambiente não se propagam através dos níveis de sonho. Esta tese explica o porque de quando a van está em queda livre – portanto, imprimindo uma força de campo que anula o efeito da gravidade na camada seguinte do sonho -, a terceira camada não é afetada. Acontece que um efeito no segundo nível de sonho não implica necessariamente em imprimir a mesma força na terceira camada. É plausível considerarmos tal proposição, já que na segunda camada o mesmo efeito de queda-livre é verificado – apesar de não ter a queda como causadora -, e, no entanto, nada acontece com o ambiente da montanha. A gravidade ainda existe. Inclusive, a suposição de um dos personagens sobre a “turbulência do avião” (duas camadas abaixo) ser a causadora de tremores é descartada imediatamente por Cobb. Ele afirma ser algo “mais próximo”.

E finalmente, acerca do fim. O filme dá abertura para duas teorias finais. A primeira: tudo deu certo, Cobb resgatou Saito e o pião parou de girar. A conversa com Saito no limbo, e a iminência da morte por um tiro da arma de Cobb reforça esta teoria. Ele não teria como se matar antes pois não sabia que estava sonhando. A chegada de um Cobb jovem torna tal hipótese verdadeira. A segunda é que o pião perpetuou seu giro através do infinito e, portanto, tal realidade tratava-se, na verdade, do limbo. É plausível mesmo com os filhos de Cobb olhando para ele e se reencontrando com o pai. Caso isso não ocorresse, ele saberia que se tratava de um sonho, logo, seu próprio subconsciente resguardou tal encontro. Esta teoria aconteceria caso Cobb soubesse que não conseguiria salvar Saito e, portanto, viver sonhando seria algo muito melhor do que a própria realidade melancólica que o esperava. E mesmo ele estando já no limbo, a realidade após Ariadne despertar reiniciou – quando ele acorda na praia, logo no começo do filme -, o que torna crível a extensão de tal efeito para múltiplas aplicações.

Depois de todas as interpretações possíveis, as discussões e os devaneios, penso que Nolan virou meu cineasta preferido da atualidade. Muitos falam que A Origem é o novo Matrix, mas não gosto de comparar. Este filme é algo novo. Algo completamente diferente e paradoxalmente semelhante. É simplesmente mais uma obra prima do cinema contemporâneo.

19 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. Meu caro, um dos melhores artigos sobre filmes que já li. Com certeza estarei em Fortaleza, capital, 233km de cá, onde moro, para ver esse filme.

    Parabéns.

    • Hey, fico lisonjeado com o elogio Cadorno! =D
      Sem dúvidas, o filme vale muito a pena. Certeza que você não vai se arrepender!

  2. Sublime! E Nolan provou ser possível extrair o potencial de interpretação de cada ator, sem precisar incorrer nas "soluções fáceis" (um exemplo: um diretor comum encadearia um relacionamento entre Cobb e a mocinha [a Oneiroarquiteta], para amenisar e solucionar o trauma personificado em Mal. Mas Nolan escolhe o difícil e o executa até as últimas conseqüencias).

    Este é um dos poucos filmes que me permitiram uma embriaguez intelectual.

    • Exatamente! O filme não teve NENHUM casalzinho amoroso! Só o Nolan mesmo para provar que um bom filme pode sim ser independente de orbigatoriedades imbecis! =D

  3. grande filme tem que ganhar o oscar christopher nolan fez um filme incrivel do comeco ao fim com atores brilhantes e um roteiro maravilhoso a origem e batman o cavalerio das trevas junto com o grande truque sao os melhores filmes de christopher nolan e da indutria do cinema

    • Uma questão que um amigo me chamou a atenção: e se o filme todo for o sonho de Mal? e se os personagens forem projeções recorrentes da namorada de Cobb?

      -A pista mais forte que aponta nesta leitura (uma de muitas, que filme!), é o fato de Cobb adotar como seu o "tótem" de Mal.

    • Não existe uma resposta única para esta questão. No texto eu expus duas possibilidades. O Guedes já colocou mais uma. A meu ver, eis a beleza deste filme. As múltiplas interpretações coerentes que podemos ter. =D

    • Ninguém vai explorar o nome da ex-esposa do Cobb? Mal?! MAL?! O papel dela no filme é o de trazer distúrbio e, mesmo em inglês, originado do Latim, o significado desse prefixo é justamente este, o de algo anormal, vil, perturbado. E, na verdade, o filme parece um sonho, dando talvez a idéia de que todos nos perdemos quando temos que definir o que é real e o que é ilusório. Apesar de não termos certeza se o tótem de Cobb pára de girar ou não, a interpretação de cada um do que acontece ali diz muito mais do que se pode imaginar sobre um indivíduo. Românticos, otimistas, diriam que Cobb foi um herói – com a ajuda de Ariadne, vale ressaltar -, que conseguiu superar todos os "males" do filme. Pessimistas, "neo-racionalistas", podem afirmar que tudo era sonho, um desejo não alcançado de Cobb, já que o tótem nunca realmente parou de girar.

      Ótima review, grandes reflexões!

    • De fato, a interpretação sobre o nome de Mal nos leva à uma reflexão sobre a própria dicotomia latente no que concerne a história da humanidade. Ao mesmo tempo que ela representa a distorção, o irreal, o confuso, o maléfico; é ao enfrentá-la, no entanto, que Cobb consegue progredir, nos passando a idéia que não há progresso sem a ameaça. Não há avanço sem guerra. Em Avatar, por exemplo, os Navi não sabiam que eram capazes de montar em outros animais até a guerra contra os "povos do céu" eclodir. É frente à ameaça, ao mal, que prosperamos. Ele é necessário para perpetuar nossa existência contraditória.

      O ponto que colocastes sobre a interpretação de cada um sobre o final do filme, dizer mais sobre cada pessoa é interessante e é uma visão que me agrada. Concordo plenamente.

      Obrigado pelo elogio e pelo comentário cujo conteúdo acrescentou um pouco mais à discussão. Fica com Deus! ;D

  4. Linear no sentido de ter uma lógica cronológica pré-definida. Tirando a primeira cena, todo o filme progride em uma linha temporal crescente, daí linear.

  5. O filme é realmente fantástico, uma história que tinha tudo para se perder entre as explicações, mas tudo fica muito bem amarrado e não se tem aquela sensação de perdeu algo, o filme se explica, quanto as interpretações, adoro ver filmes onde é possível tirar lições práticas para nossa própria vida, o dilema da culpa que Cobb possui é fabuloso.

  6. Boa resenha. Acho que o filme dá mesmo a interpretação de múltiplos finais, mas seria interessante ver se o diretor não tem o dele (e no caso oficial). O Amnésia e Batman tem vários detalhes fora do filme.

    Como finais prováveis, eu levanto os já citados:
    – Ele não está sonhando, é de fato a realidade e o pião vai parar.
    – Ele está sonhando, ele preferiu esta realidade ao ver que não tinha jeito.

    Mas levanto outras:
    – Ele está sonhando, e quem arquitetou o sonho foi o pai dele para inserir na cabeça dele a idéia do perdão, pra Cobb se perdoar pela morte de Mal. Esta teria força pelo personagem do pai dele, um puta ator que fez apenas uma ponta. Também reforça esta idéia o fato que ele no filme tenta acordar "as pessoas vem aqui para acordar" e por mesmo fora do sonho a vida dele ser meio fantasiosa com gente indo atrás dele e o perseguindo.
    – Outra teoria é de que Mal estivesse certa, e após o suicídio ela tivesse acordado pra realidade. E junto do pai dele, estivessem tentando trazê-lo de volta. Se esta teoria estiver certo, a garota do filme nada mais é do que a verdadeira Mal, enquanto a Mal que atrapalha Cobb é apenas uma personalização do personagem.

    Provavelmente muitas outras interpretações devem existir, e esta é a parte da diversão.

    • Gostei muito da resenha e das interpretações comentadas até aqui.

      Durante o filme, acreditava que o final apontaria para a sua última possibilidade, de que Mal conseguiu acordar para a realidade e está tentando trazer Cobb de volta, por isso ela tenta matá-lo mesmo sendo uma projeção. A idéia de que tudo é um sonho de Cobb também surgiu porque se aproxima do último filme, guardada as devidas proporções, de Leonardo di Caprio, A Ilha do Medo.

      Parabéns a Nolan, pelo roteiro, pela escolha dos atores e pela direção em geral, e a Rafael pelo texto.

Deixe sua opinião