em

Com o péssimo Reféns, Joel Schumacher se consolida como um piadista

 

Quando carnavalizou e ridicularizou a franquia Batman, nos idos anos 90, o diretor Joel Schumacher estava provando ali que essa era sua real função em Hollywood. Não é maldade minha, é fato provado a cada novo lançamento seu, como o de agora, o trash Reféns (Trespass, 2011). E o pior, protagonizados por Nicolas Cage e Nicole Kidman, que, ainda que os dois (sim, os dois!) venham de sucessivos equívocos cinematográficos, esse casting é um dos maiores mistérios da história do cinema.

Eles interpretam um casal rico que tem seu casarão invadido por quatro assaltantes que conhecem diversos detalhes da vida do casal, que moram também com sua filha adolescente. Disso já podemos antecipar o que acontece,  principalmente por exemplos recentes como o bom O Quarto do Pânico ou o tenebroso Refém. Só que o roteiro é muito pior que os referidos, pois inexiste qualquer tentativa de construção de personagens. Os bandidos são explicitamente despreparados, mas não pense que isso é uma artimanha do roteiro, pois ao longo do filme vemos que o despreparo é dramatúrgico. Os reféns são imbecis e fica claro que os são para que a história tem algum sentido. O que não tem. E ainda há uma sucessão de viradas (claro), todas absurdas e deslocadas.

Ou seja, Reféns parece ter sido escrito por um adolescente de 15 anos… Ou não, até porque esses adolescentes lêem bons quadrinhos, como os de Neil Gaiman. No fim acho que Schumacher deveria investir na comédia, pois seus filmes são sempre uma grande piada.

[xrr rating=1/5]

Ficha Técnica:

  • Diretor: Joel Schumacher
  • Elenco: Nicole Kidman, Nicolas Cage, Cam Gigandet, Liana Liberato, Nico Tortorella, Ben Mendelsohn, Jordana Spiro, Dash Mihok, Emily Meade, Nico Tortorella
  • Produção: René Besson, Boaz Davidson, Irwin Winkler, David Winkler, Trevor Short, Avi Lerner, Danny Dimbort
  • Roteiro: Karl Gajdusek
  • Fotografia: Andrzej Bartkowiak
  • Trilha Sonora: David Buckley
  • Duração: 91 min.
  • Ano: 2011
  • País: EUA
  • Gênero: Suspense
  • Cor: Colorido
  • Distribuidora: Imagem Filmes
  • Estúdio: Millennium Films / Nu Image Films
  • Classificação: 14 anos

4 opinaram!

Deixe sua opinião!
  1. Não, na época do Batman ele ainda não tinha o senso do ridículo… acreditava mesmo que o seu “carnaval da Beija-Flor” era um exercício estético…. agora o cara se supera a cada filme… consolidando-se como um piadista de fato!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ativista

Publicado por Renan de Andrade

VerificadoEscritorPromotor(a)CinéfiloMusicólogoFanáticos por SériesSuper-fãs

Dentro de sua simplicidade, “A Condenação” é um grande filme

Morro da Favela, por André Diniz e Maurício Hora