em

Festival do Rio: Boy

Festival do Rio: Boy | Filmes | Revista Ambrosia

No mesmo dia em que fui presenteado com o curta Homens assisti o longa Boy, filme de Auraeus Solito que conta a história de um poeta adolescente que, ao ir num bar gay em Manila, passa a noite observando  shows de drag queens e homens seminus dançando.

Em determinado momento o rapaz se vê atraído pelo dançarino Aries, morador de uma área pobre da cidade e decide então, vender seus bonecos de ação e quadrinhos para conseguir pagar uma noite com o objeto de sua atração. Com o dinheiro necessário, compra o dançarino por toda a noite de Ano Novo e, enquanto os fogos explodem celebrando a virada, os dois jovens acabam desenvolvendo um relacionamento que nenhum inexperado e sem garantias…

O filme seria ótimo se não fosse por um problema: os personagens são muito superficiais. Quando se tem um vislumbre de aprofundamento na personalidade de um deles ,o filme muda de cenário (isto acontece quando Aries conversa sobre sua família e quando o jovem poeta fala com sua mãe). A trama poderia ser um pouco mais explorada ao invés de deixar um mar de perguntas no decorrer do filme.

Boy 03Soma-se a isso o fato do filme ser muito parado e não possuir um ápice, chega determinados momentos que dá vontade de se levantar e ir embora. Assim como Quem quer ser um Milionário?, me fez nunca querer visitar a Índia, Boy me faz nunca querer colocar meus pés nas Filipinas.

Ainda bem que minha noite foi salva por Homens.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Um comentário

#Lançamento'22 Circuito Ambrosia