em

Festival do Rio: “Gata Velha Ainda Mia” flerta com o Cinema, mas sua essência é Teatral

Se a TV limita o talento de Regina Duarte aos mesmos formatos há pelo menos 30 anos, o Cinema proporciona nuances que agregam ainda mais valor a carreira da atriz.
Exibido hoje em sessão hours concours no Festival do Rio 2013, o filme “Gata Velha Ainda Mia” é um palco para o talento de Regina. Rafael Primot escreve e dirige o filme, sobre Gloria Polk (Regina ), uma escritora veterana, que resolve finalmente abrir sua casa e dar uma entrevista à jornalista Carol (Bárbara Paz), para falar de sua volta à Literatura. Conforme a conversa se desenvolve, vemos que a escritora tem um temperamento difícil e que a jornalista a admira mesmo assim. Essa posição superior é usado por Gloria para influenciar Carol e ter alguma vantagem na tensa relação que vai se estabelecendo.
1240392_10200816415432837_1711992222_nOs diálogos são ótimos e a interação entre as atrizes é corrente, entretanto, a sensação de que o texto encontraria mais substancia cênica no teatro é latente. Falta um arrojamento estético para a tela do Cinema. Até os limitados enquadramentos refletem isso. Entretanto, mesmo com um final problemático, quase apressado, Primot é um realizador promissor. Por hora, só tem que entender qual é o espaço de suas histórias…

[xrr rating=3/5]

Participe com sua opinião!