em ,

"Missão Impossível – Efeito Fallout" e sua grande medida como espetáculo

Cinema também é espetáculo. Quando faz sentido dentro de sua própria histeria então, se torna brilhante. Missão Impossível – Efeito Fallout poderia ser resumido nessa capacidade que tem de ser entretenimento em grande escala técnica, pirotécnica e emocional (esse, um fator bem raro no gênero). Acredite, suas mãos podem suar muito assistindo. Quando Solomon Lane (Sean Harris) saiu ileso no longa anterior, Ethan Hunt (Tom Cruise) é encarregado de destruir uma nova célula terrorista criada pelos membros remanescentes do temido Sindicato (grupo de ex-agentes que tornaram-se anarquistas) e resgatar três ogivas nucleares roubadas.
O roteiro costura as próprias “mitologias” da franquia, partindo de prerrogativas dramáticas vindas lá de Protocolo Fantasma (2011) e desenvolvidas em Nação Secreta (2015), filme esse que marcou a entrada do diretor Christopher McQuarrie. Também atuando como roteirista e produtor, McQuarrie criou uma trama que não economiza história entrelaçando os conflitos de Hunt numa escala maior, mas com cuidado para dar sentido a cada passo de sua investigação, e até das pontas soltas de seu passado (leia-se, Michelle Monaghan).
"Missão Impossível - Efeito Fallout" e sua grande medida como espetáculo | Críticas | Revista Ambrosia
A força do thriller aqui – estamos falando de um clássico filme de espionagem – está nas conexões dramáticas que a trama vai criando. Por isso o filme funciona tanto. O passado de Hunt se embola com seu presente de forma ágil e inteligente (a ambiguidade da CIA diz muito sobre a política externa norte-americana). Para tal, o personagem de Henry Cavill acaba representando o contraponto exato diante da desconstrução icônica do protagonista.
Mas num filme como esse, a habilidade técnica e o carisma de Tom pesam muito a favor. McQuarrie tem a destreza de colocar a câmera sempre em perspectiva à astúcia do astro, que ainda é uma show a parte por fazer cenas perigosíssimas – e nesse filme isso é quase uma redundância – quase sempre sem dublês. E quando o recorte não está nisso, está na “envernização” do todo em cenas espetaculares, em ruelas parisienses, telhados ingleses e geleiras da Caxemira, sob a trilha clássica, mas muito bem pontuada dramaticamente em cenas para além de clímax explosivos.
"Missão Impossível - Efeito Fallout" e sua grande medida como espetáculo | Críticas | Revista Ambrosia
Desde que J.J.Abrams fez o até então melhor filme da franquia com o excelente Missão Impossível 3, que vemos o avanço qualitativo da marca. Com Missão Impossível – Efeito Fallout, o nível sobe tanto que fica a sensação que o amadurecimento de Ethan Hunt está se estendendo às suas próprias aventuras, que nada mais são de o cinema também sendo (consistente) espetáculo!
"Missão Impossível - Efeito Fallout" e sua grande medida como espetáculo | Críticas | Revista AmbrosiaFilme: Missão Impossível: Efeito Fallout (Mission Impossible: Fallout)
Direção: Christopher McQuarrie
Elenco: Tom Cruise, Henry Cavill, Rebbeca Ferguson
Gênero: Ação/Espionagem
País: EUA
Ano de produção: 2018
Distribuidora: Paramount Pictures
Duração: 2h 28min
Classificação: 14 anos

Deixe sua opinião

Publicado por Renan de Andrade

6 vilões que só queriam o bem nos animes!

Mick Jagger 75 anos : 7 momentos do Rolling Stone