em ,

"Mulheres Alteradas" capta a estética, embora vacile na contextualização

Quando a cartunista e escritora argentina Maitena chegou ao Brasil com suas tirinhas Mulheres Alteradas, logo fez sucesso com sua (digamos) espécie portenha e mais plural do que tínhamos aqui como Radical Chic. Isso foi na década passada e divertiu os leitores com suas listas expressando variados perfis de mulheres. Essa presença foi tão marcante que virou filme justamente aqui, no Brasil.
Mulheres Alteradas condensa a gama de personagens do material original através de quatro protagonistas: Keka (Deborah Secco), Marinati (Alessandra Negrini, bem acima do tom), Sônia (Mônica Iozzi) e Leandra (Maria Casadevall), se concentrando em dois focos. A relação próxima de chefe e assistente (Marinati e Keka), e de duas irmãs com as vidas totalmente distintas (Sônia e Leandra). As quatro são próximas e suas vidas se cruzam ao longo da história.
Com roteiro de Caco Galhardo e direção de Luís Pinheiro, que junto com Casadevall fizeram a série do GNT Lili, A Ex, o filme mantém as tintas fortes da estética de HQ, o que torna a visualidade – especialmente da direção de arte – muito interessante, funcionando bem para embrulhar o humor caricato da história.
"Mulheres Alteradas" capta a estética, embora vacile na contextualização | Críticas | Revista Ambrosia
O resultado é irregular, mas pendendo para o bom. Aliás, se tomarmos pela média do que é feito em comédia por aqui, é bem superior. O problema está numa certa descentralização do desenvolvimento das histórias do quarteto.
A história de Marinati ganha muito mais peso e tempo na tela, e isso quando se baliza o que as une dramaturgicamente, enfraquece o todo. Tanto que o final é nitidamente apressado e nem parece mimetizar o espírito de observação do comportamento feminino, como as tirinhas faziam. Apesar disso, a direção de Pinheiro tem frescor e aproveita bem as possibilidades cômicas do texto de maneira bem gráfica.
Mulheres Alteradas é uma adaptação digna do universo de Maitena, ainda que como cinema não alcance totalmente sua amplitude comportamental apresentada como quadrinho.
"Mulheres Alteradas" capta a estética, embora vacile na contextualização | Críticas | Revista AmbrosiaFilme: Mulheres Alteradas
Direção: Luís Pinheiro
Elenco: Deborah Secco, Alessandra Negrini, Mônica Iozzi
Gênero: Comédia
País: Brasil
Ano de produção: 2018
Distribuidora: Paris Filmes
Duração: 1h 35min
Classificação: 12 anos

Participe com sua opinião!