em

Oblivion restringe-se a forma e é sucumbido por suas irregularidades

É aquilo: filme de ficção científica, invariavelmente, acabam sucumbindo ao excesso de estilismo e pretensão. Nem Kubrick se livrou disso (talvez tenha até ajudado a começar). Até entende-se uma vez que trata-se de um gênero que se configura através de idealizações e muitas vezes para justificar os devaneios (literalmente) futuros, as histórias acabam sempre caindo nessa pragmática constatação. Oblivion, nova superprodução de Tom Cruise, não foge a regra.

A Terra foi inteiramente devastada, e a vida nela se tornou algo impossível. O filme se passa no futuro, e é sabido que uma raça de outro planeta destruiu a lua terrestre tirando de equilíbrio as marés e outros elementos naturais, assim criando terremotos, maremotos, e devastando totalmente o planeta. Os humanos ganharam essa guerra, mas o custo dela foi o seu habitat. Agora, dois funcionários de uma empresa governamental são os únicos habitantes do planeta, e estão a serviço para repararem o maquinário, em especial grandes robôs que fazem a segurança e vigiam o local. Jack (Cruise)  tem estranhos flashbacks com uma misteriosa mulher, quando a Terra ainda existia, e junto com uma fé no ressurgimento do planeta, passa a questionar o “sistema” que o rege.

oblivion_14

Cruise, que nasceu para viver heróis fantasiosos, já havia feito um dos melhores filmes de ficção, o ótimo Minority Report, de Spielberg, porém não repetiu a boa escolha sob no longa, agora sob a batuta de Joseph Kosinski , do mediano Tron – O Legado. Com belíssimo design de produção, a roteiro ora aborrece na vã engenhosidade de se justificar narrativamente, ora se entrega a um romantismo um tanto descolado. Claro que o discurso em si vem carregado de referências diretas ao cenário sócio-político mundial de hoje, mas o resultado é tão derivativo e previsível, que acaba dando a sensação de que queriam dar um gênero para Tom Cruise brincar, e não um filme.

[xrr rating=2.5/5]

Deixe sua opinião

HBO divulga primeiro trailer da sexta temporada de True Blood

O RPG Cosa Nostra será lançado através de financiamento coletivo