“Um Tira da Pesada 4: Axel Foley” é Eddie Murphy de volta às ruas em sequência resgatada pela Netflix

112
0

Existem alguns motivos válidos para fazer uma sequência quatro décadas depois de um sucesso de bilheteria de ação e comédia que deixou uma marca pop-cultural indelével: 1. Um roteiro inteligente com uma abordagem completamente nova de um gênero estereotipado. 2. Uma escrita que explora as maneiras como um personagem icônico conhecido por sua irreverência que quebra as regras se ajusta às mudanças sociais de um século diferente. 3. Nova tecnologia que permite emoções mais explosivas. 4. A nostalgia do público para quem o original guarda memórias duradouras e afetuosas. 5. Lil Nas X concorda em escrever e interpretar uma música, girando versos de rap em torno da cativante música tema do mestre dos sintetizadores Harold Faltermeyer.

Passando 30 anos após a terceira parte ter estreado com críticas escaldantes e receitas abaixo do esperado, Um Tira da Pesada 4: Axel Foley (Beverly Hills Cop: Axel F) justifica sua existência apenas com os pontos 4 e 5. O que provavelmente será o suficiente para satisfazer os fãs da série. Dirigido com eficiência de profissional pelo estreante Mark Molloy e escrito por um comitê que segue o modelo à risca, o filme da Netflix permanece totalmente preso aos anos 80.

Isso fica evidente até no pôster, que não apenas retorna aos elementos básicos da arte principal de Um Tira da Pesada, junto com os enfeites para a sequência de 1987 (palmeiras contra um vibrante pôr do sol de Hollywood), mas também parece ter sido projetado naquela época, até o último detalhe retocado.

O primeiro Um Tira da Pesada abriu novos caminhos para Eddie Murphy, que estava saindo da cena Stand Up Comedy e ainda não tinha um filme como protagonista solo. A direção animada de Martin Brest e um roteiro de Daniel Petrie Jr. que sabia exatamente como mostrar os dons do comediante tagarela — abrindo amplo espaço para suas habilidades de improvisação — consolidaram a ascensão de Murphy ao estrelato.

Com uma arrecadação global de US$ 316 milhões, ele desmentiu a crença generalizada de que grandes lançamentos liderados por atores negros não tinham força nas bilheterias internacionais. O filme estabeleceu o molde para comédias de ação policial e abriu caminho para outra franquia que definiu uma década, ancorada por um detetive descontrolado, propenso a correr direto para o perigo e deixar destroços em seu rastro, Máquina Mortífera.

O novo filme começa com Axel Foley de Murphy de volta à sua Detroit natal, viajando por uma cidade que ele conhece como a palma da mão ao som de “The Heat Is On”, de Glenn Frey. Essa faixa — junto com “Neutron Dance” do The Pointer Sisters e o tema de Faltermeyer — é reprisada do original, enquanto outros sucessos daquela década são adicionados, incluindo “Shakedown” de Bob Seger (ouvido em Um Tira da Pesada II) e “Hot in the City” de Billy Idol, este último em um mashup com um rap de Coi Leray. Ninguém pode acusar este filme de não ser fiel ao espírito de seu progenitor, trazendo de volta a nostalgia da época.

As palhaçadas de Axel o fizeram ser expulso de um caso que rastreia uma quadrilha de ladrões assassinos, então ele manipula o ingênuo colega júnior Mike Woody (Kyle S. More) para assumir a liderança quando um assalto está acontecendo em um jogo de hóquei no gelo. Mas não antes de algumas piadas sobre dinâmicas inter-raciais. Mike, que é branco, confessa sua surpresa por um homem negro gostar de hóquei no gelo e Axel o faz se contorcer sobre sua suposição estereotipada. Axel imita seu pedido de desculpas gaguejante, mas ele é rápido em esclarecer que Mike fazendo o inverso seria “extremamente ofensivo”.

Nem o roteiro nem os atores dão muita importância a essa parte e um pouco mais desse reposicionamento cultural de Axel poderia ter dado ao filme um toque mais contemporâneo. Principalmente, a cena serve como um prelúdio para o caos característico de Axel enquanto ele persegue os criminosos ao volante de um caminhão limpa-neve, destruindo propriedade privada e municipal o suficiente para enfurecer seu supervisor, Jeffrey Friedman (Paul Reiser), que está com um pé fora da porta para a aposentadoria.

Enquanto isso, em Los Angeles, a filha afastada de Axel, Jane (Taylour Paige), uma advogada de defesa criminal em um poderoso escritório de Beverly Hills, assume o caso pro bono da mula de drogas de baixo escalão Sam Enriquez (Damien Diaz), que ela acredita ter sido incriminada como assassina de policiais. Quando bandidos mascarados lhe dão um aviso violento para abandonar o caso, o velho amigo de Axel no BHPD, Billy Rosewood (Juiz Reinhold), que agora está fora da polícia e trabalhando como detetive particular, liga para avisar seu amigo que sua filha está em perigo. Billy se sente responsável, tendo persuadido Jane a aceitar o caso; Axel está no próximo voo para Los Angeles.

Quando Axel chega à cidade como uma bola de demolição, ele é forçado a lidar com uma nova geração de policiais, o detetive Bobby Abbott (Joseph Gordon-Levitt), que é inteligente demais para deixar a zombaria do rebelde de Detroit entrar em sua pele. Axel também é apresentado ao elegante capitão da divisão de narcóticos Cade Grant (Kevin Bacon), cujo terno impecavelmente cortado, sapatos Gucci e um Rolex de ouro colossal não parecem frutos de um salário do departamento de polícia.

Entremeado entre cenas de ação como Axel deixando um rastro de destruição enquanto ele corre pela Rodeo Drive em um buggy de fiscalização de estacionamento ou rouba um helicóptero da polícia nervosamente pilotado por Bobby está o drama familiar espinhoso entre Axel e Jane. Ela só quer que ele saia da cidade, recusando-se a perdoá-lo por abandoná-la depois que ele se divorciou de sua mãe. Ele reluta em reconhecer qualquer deficiência em seu histórico parental, mas é claro, alguns encontros com a morte nas mãos de assassinos de cartéis e policiais corruptos mudarão isso. Paige dá classe ao filme, tornando a mágoa de Jane profunda e real, e ela tem uma química doce com Bobby, de Gordon-Levitt, um ex com quem ela terminou as coisas abruptamente.

A diversão em 1984 de um policial negro peixe fora d’água se divertindo sem fim com brancos burgueses e tensos em uma cidade que cheira a riqueza insular e direito parece ultrapassada agora. Especialmente quando os alvos são tão fáceis quanto uma matrona indignada de Beverly Hills segurando um chihuahua chamado Manolo; um corretor imobiliário alegremente superficial arrulhando sobre a vulgaridade de uma mansão opulenta com portão; ou um maître esnobe tentando manter Axel e sua jaqueta bomber do Detroit Lions fora de um clube privado.

A grande personalidade de Murphy torna Um Tira da Pesada: Axel Foley um balde de nostalgia melhor do que muitos precursores da Netflix e ele parece pelo menos um pouco mais engajado do que estava em Um Tira da Pesada III, mas isso não o impede de parecer algo reciclado de ideias de 40 anos atrás. Murphy e o produtor Jerry Bruckheimer estão supostamente desenvolvendo um quinto filme da franquia, então é provável que mais esteja por vir.

Tradução livre da crítica de David Roomey

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *