em

Cordel passa a ser oficialmente patrimônio imaterial brasileiro

Agora é oficial: a literatura de cordel passou a ser classificada como patrimônio imaterial, destacando e reconhecendo a sua contribuição para a cultura nacional. O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, órgão ligado ao Ministério da Cultura, aprovou na tarde da última quarta-feira (19/09) o registro do estilo literário na condição de patrimônio imaterial, o que significa que a manifestação artística deve ser preservada e projetos efetivos para a sua manutenção, ensino e propagação devem ser tomados.
A decisão alimenta a esperança de que o poder público, especificamente o Ministério da Cultura, possa vir a dar amparo técnico e suporte operacional para a difusão do cordel e a sua valorização.
A literatura de cordel
O Cordel, nome atribuído ao estilo literário e a forma como ele se apresenta em razão dos livrinhos contendo histórias e poemas baseados na tradição oral e escrita do nordeste brasileiro ficarem á venda em cordames e varais dos comércios e feiras, é uma importante manifestação artística-literária da cultura popular, especialmente do sertão nordestino, sendo difundida com destaque em estados como a Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Rio Grande do Norte e Ceará.

Cordel passa a ser oficialmente patrimônio imaterial brasileiro | Literatura | Revista Ambrosia
Ariano Suassuna, autor de obras fortemente marcadas pelo cordel.

Embora reconhecido como elemento da cultura brasileira, o termo “Cordel” tem sua origem na herança portuguesa, responsável por introduzir uma forma similar de composição literária e manifestação oral dos textos no nordeste brasileiro ao longo do século XVIII. Na Europa, a prática da venda de poemas em feiras data do século XII em países como a França, Espanha, Itália. Hoje ainda é possível encontrar muitos cordelistas nas tradicionais feiras nordestinas e em eventos por todo o interior do país.
No Brasil é possível notar que o cordel influenciou o estilo e a composição rítmica de poetas e escritores como Ferreira Gullar, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna, Guimarães Rosa, Waldemar José Solha, entre outros.
Cordel passa a ser oficialmente patrimônio imaterial brasileiro | Literatura | Revista Ambrosia
Astier Basílio (divulgação) – jornalista utiliza o cordel em aulas para estudantes de língua portuguesa na Rússia.

Entre os escritores contemporâneos, um dos maiores entusiastas do cordel é o jornalista paraibano Astier Basílio. Radicado na Rússia e dando aulas de português para estudantes daquele país, Astier destaca que usa o cordel em suas aulas. “É uma das nossas maiores riquezas culturais, o reconhecimento é apenas um ato burocrático, pois o cordel independe de qualquer aval para existir. É, essencialmente, uma arte subversiva, retrato fiel das angústias do nosso povo mais simples, e os estrangeiros gostam muito de entrar em contato com uma manifestação tão própria da nossa cultura”.
 

Deixe sua opinião

Promised Neverland chega ao Brasil pela Panini, confira análise

FIFA 19 Ultimate Team: Vazaram todos os tipos de carta