em ,

Drowned Men lança disco de estreia; ouça ‘Bats’

Capa do disco "BATS", da Drowned Men (Crédito de Flávio Charchar)
Capa do disco "BATS", da Drowned Men (Crédito de Flávio Charchar)

Morcegos recebem significados positivos e negativos. Enquanto para algumas culturas eles representam escuridão e ocultismo, para outras, é sinal de renascimento e felicidade. O álbum de estreia da Drowned Men (Belo Horizonte/MG), “BATS”, une as duas visões de mundo em nove faixas que elevam o espírito e incentivam a reflexão.

Unindo o áudio ao visual, o quinteto também lança o clipe “Stay”, com direção de Humberto Teixeira (Rocambole Filmes). O disco é um lançamento Howlin’ Records e já se encontra disponível nas principais plataformas de streaming.

“Apesar da tendência a ligar bandas de post-punk e darkwave a um universo vampiresco, no que diz respeito às escolhas estéticas, o disco explora esse universo por outro ângulo. Neste sentido, nos referimos à algumas características dessas criaturas que são quase sempre ofuscadas pelo poder de terror que podem causar. Elegância, delicadeza e potência são conceitos presentes na capa, que traz uma bailarina (Jéssica Marques) guiando-se elegantemente pelo som, registrada pelas lentes de Flávio Charchar.”, explica Adriano Bê.

Da concepção até o lançamento, foram menos de 10 meses. Apesar da rapidez, o disco alcança profundidade com letras que falam de temas existenciais como medo, vícios, esperança e relacionamentos. Por meio das fortes linhas de baixo e dos riffs dançantes, o álbum “BATS” é um convite a seguir o som e voar como morcegos, ou saltar como bailarinas.

“Lançar BATS retrata o nosso amadurecimento como banda, em um material bem consistente que representa a nossa identidade – uma simetria que é sonora, mas também visual. É a coroação de muito trabalho, algumas noites sem dormir e a reunião de todas as nossas expectativas para um primeiro disco, que estamos ansiosos para rodar por aí para divulgar e compartilhar com as pessoas.”, conta Gabriel Martins.

O tom soturno, inerente ao post-punk, é um dos destaques de “Stay”, protagonizado por Lorraine Siqueira, que interpreta a personagem que deseja seguir em frente, evoluir por meio da rotina diária. Enquanto os integrantes da Drowned Men representam os fantasmas dos relacionamentos passados, que insistem em permanecer grudados a um ambiente que já não os pertence mais. A canção fala sobre liberdade por meio de despedidas.

A Drowned Men é uma banda mineira de post-punk, fundada em 2018 e que traz em sua discografia o EP “Ashes” (2019) e o disco de estreia, “Bats” (2020). O quinteto usa do minimalismo e experimentalismo em suas canções, que falam de medos, vícios e também esperança. Entre as influências musicais, estão clássicos do post-punk como Bauhaus, Echo and The Bunnymen, Siouxsie and the Banshees, The Cure e ainda bandas nacionais como o Legião Urbana e o Ira!, também fortemente influenciadas pelo gênero.

O clipe para “Stay” traz na ficha técnica Humberto Teixeira, da Rocambole Filmes, (direção, fotografia, captação e edição), Raquel Batista (produção geral, roteiro, iluminação, cenografia e direção de arte), Natália Rodrigues (iluminação e cenografia) e Gabriel Martins (som direto). O  videoclipe também traz no elenco: Lorraine Siqueira, Adriano Bê, Adriano JS, Gabriel Martins, John Silva e Joey Blasmain.

Já o álbum “BATS” é um lançamento Howlin’ Records e conta com os integrantes da Drowned Men: Adriano Bermudes (voz), Adriano JS (baixo), Gabriel Martins (bateria), Joey Blasmain (guitarra) e John Silva (guitarra). O disco também é realizado por Raquel Batista (direção artística e produção geral), Lucas Gomes, do Estúdio Nema (produção musical). A foto da capa é de autoria de Flávio Charchar, com arte de Raquel Batista, e traz a modelo Jessica Marques.

Opiniões

Participe com sua opinião!

Carregando

0