em

Por que as mulheres são as pioneiras da Música Eletrônica?

Preciso começar dizendo que uma das cenas mais lindas nessa nossa existência de realidade é ver uma mulher tocando qualquer instrumento. Falando especificamente da presença de mulheres na Música Eletrônica, acredito que a energia sensível do feminino consegue um diálogo muito íntimo e sensual que consegue nos levar a dimensões perceptivas muito mais internas e existenciais.
É papo de maluco, mas eu exemplifico. Assistam esse vídeo, de 1977, da compositora americana Laurie Spiegel. Vocês veem o mesmo cuidado do toque de um corpo nu afim de ser tocado que eu vejo? No caso, o sintetizador do vídeo é um dos primeiros exemplos de síntese de áudio puramente digital e o software foi desenvolvido pela própria Spiegel, que o chamou de “concerto generator“.
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=NChqEEz31eE[/youtube]
Em 1957, a compositora Daphne Oram desenvolveu a técnica de desenho de som chamada ‘’oramics’’. Seu trabalho é de grande influência para a Música e para muitas pessoas.
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=tgpZi0ZnA5I[/youtube]
O álbum The Dreams, de 1964, da compositora inglesa Delia Derbyshire é outro clássico da história da Música. O álbum é uma coleção de pessoas descrevendo seus sonhos (Barry Bermange gravou as narrações). As músicas são 5 movimentos de recriação de sensações tidas durante os sonhos: correr, cair, paisagem, debaixo d’água e cor. Loucurinha fritação.
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=WCF_mHKBH3k[/youtube]
Todo o jeito sutil e etéreo de estudar e criar vibrações, jogar com o ”alienígena-transcendental” da Música Eletrônica e nos jogar numa imersão expansiva de consciência, vem da sensibilidade delas. A externalidade do interno através de alterações de ondas criadas por máquinas. Cérebros artificiais se conectando com a pessoalidade humana através da música e dos softwares desenvolvidos por elas.
Hoje, como gênero, a gente chama tudo isso de Noise e pode tentar me provar com x+y (hehe) que não foram elas que realmente transformaram o cenário da Música, abrindo caminho pra Música Eletrônica, mas pra mim foram, sim.
Eliane Radigue
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=lcy5fLcAsQQ[/youtube]
Else Marie Pade
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=VCX0or43lv0[/youtube]
Truus de Groot
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=4Vxy8vZnMJg[/youtube]
Laurie Anderson
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=0hhm0NHhCBg[/youtube]
Grimes
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=FJ5XUw4qHZo[/youtube]
Naomi Kashiwagi
[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=raey9fpEeto[/youtube]
Isso pra deixar a pira por aqui, porque ainda tem Suzanne Ciani, Kate Bush, Björk, CocoRosie, Maria Minerva, Easter, Planningtorock, Jessy Lanza, Sophie (e mais um monte que eu nem conheço) e que, criativamente, artisticamente e constantemente colocam as mulheres no high level da Música Eletrônica e da Arte.
406027_330339027049596_679112611_n

2 opinaram!

Deixe sua opinião!

Deixe sua opinião

Publicado por Marina Matos

Festival do Rio: "Garota Exemplar" e a obscuridade de nossas próprias máscaras

Festival do Rio: "Corações Famintos" vale pela entrega de seus protagonistas