em

Yamí lança faixa em parceria com Rita Benneditto

Um encontro de cânticos e ritmos percussivos marca “Yamí”, novo single do duo formado pelo italiano Federico Puppi e o baiano Marco Lobo em parceria com a cantora maranhense Rita Benneditto. A faixa, que dá título ao projeto, antecipa seu primeiro álbum, a ser lançado em breve. O single já está disponível nas principais plataformas de música digital.

Nada mais justo que a composição batizasse o projeto. Ela surgiu com a letra escrita por Rita após assistir um show de Puppi e Lobo, quando o duo já havia ganhado forma. Antes disso, porém, os músicos se encontraram no palco da turnê da própria Benneditto, que excursionava com o álbum “Som e Fúria”, gravado com Jussara Silveira. De lá, surgiu a mescla de percussão brasileira e tons eruditos com o cello e a música eletrônica.

Após viajar pelas areias do deserto e pelos sons africanos nos singles anteriores, com passagem por Salvador de Bahia no clipe “Baião da Onça”, agora Yamí embarca em uma viagem pelos sons maranhenses.

Veja o clipe “Baião da Onça”:

“A música contém ritmos típicos do Maranhão, terra da Rita, que juntamos com a nossa sonoridade. O resultado foi muito impactante para gente. Essa música resume bem a alma do projeto, seja pelo próprio nome, seja pela junção de ritmos ancestrais com beats eletrônicos. Essa união criou um mantra muito forte e emocionante. A voz da Rita trouxe uma magia e uma espiritualidade que ficou marcante”, analisa Puppi.

Italiano radicado no Brasil, ele é violoncelista e lançou em 2018 o disco “Marinheiro de Terra Firme”, seu segundo trabalho autoral – sucessor da estreia, “Canto da Madeira” – e que já flertava com a música eletrônica. Como produtor, trabalhou ao lado de Maria Gadú no disco “Guelã”, indicado ao Grammy Latino, entre outros nomes da cena brasileira. 

Crédito: Thais Gallart

Já Lobo é um dos grandes nomes da percussão no Brasil, com três álbuns solo e tendo trabalhado com artistas importantes, tais como Milton Nascimento, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Virginia Rodrigues, Lenine, João Bosco, Ivan Lins e Marisa Monte. Além disso, ele tem desenvolvido projetos com músicos de todo o mundo, como o baterista Billy Cobham e o trio Elf, e ainda participa do grupo World Percussion Ensemble. A percussão de Lobo em Yamí inclui, além dos atabaques, instrumentos do folclore brasileiro como berimbau, gungas e tambor de onça, além de pads eletrônicos  e outros instrumentos experimentais como hang drum, tubos e sucatas. 

Essa potência de batuque se encontra com Rita Benneditto. Artista polivalente, ela é conhecida por trabalhos como “Tecnomacumba”, onde explora a versatilidade de seu caminho na música que já foi coroado com uma indicação ao Grammy, com o Prêmio da Música Brasileira, entre outros reconhecimentos. A discografia de Rita Benneditto possui oito álbuns e um single, “7Marias”, que faz uma reverência ao poder feminino através do universo das pombagiras, entidades cultuadas nos terreiros de candomblé e umbanda brasileiros. 

Da rica troca com Puppi e Lobo ao longo da turnê “Som e Fúria”, Rita desenvolveu uma sintonia com o projeto que ganhou forma ao compor “Yamí”. “Fiz a canção conduzida pela força da emoção ao ver no palco esses dois queridos e talentosos amigos. Fui arrebatada em cheio pela magia que eles emanavam tocando numa grande festa na Ilha da Gigóia. A melodia e a letra de Yamí fluíram como os ventos que sopravam naquela noite. Quando percebi, ela estava pronta dentro de mim”, relembra ela.

“Yamí é uma grande fogueira ancestral queimando na mata sagrada em noite de lua cheia, acesa pelos ventos trazidos do mar. Yamí é um encontro de almas ligadas pelo cordão sagrado da deusa música. Yamí é um canto de luz aos nossos ancestrais para que eles nos devolvam a consciência cósmica do que perdemos”, completa a artista.

A faixa integrará o primeiro disco de Yamí, ao lado dos já revelados singles “Siroco”, “Bah’li” (com o músico camaronês Njamy Sitson) e “Baião da Onça” e outras músicas inéditas. 

Ficha técnica

Marco Lobo: percussão + eletrônica

Federico Puppi: Cello +  eletrônica

Rita Benneditto: Voz e percussão

 

Produzido por Marco Lobo e Federico Puppi

Gravado no estúdio Ouvido em Pé (Rio de Janeiro) por Federico Puppi e Marco Lobo

Mixado por Diogo Guedes no estúdio Toca do Mendigo (Rio de Janeiro)

Masterizado por Giovanni Versari no estudio “La Maestá” (Itália)

Foto de capa: Pico Garcez

Arte de capa: Gualtiero Terrealte

 

Autora: Rita Benneditto

Contém trecho de “Índia Guerreira” (DP/ Adapt: Rita Benneditto/Yamí) 

Participe com sua opinião!

Ativista

Publicado por Build Up Media

Musicólogo
Capa do disco "Ruído Branco", da Vagale

Vagale lança segundo disco, “Ruído Branco”

Desafios da vida adulta marcam EP de estreia do projeto giramundocão