em ,

Graphic novel “Púrpura” reúne artistas de todos os países lusófonos

O que oito nações tão diferentes podem ter em comum, além da língua? A graphic novel “Púrpura” – que será lançada em dezembro na Comic Con Experience – responde a essa pergunta com oito histórias em quadrinhos ambientadas nos oito países que falam a língua portuguesa. Púrpura é uma cor? Uma palavra? Um mote para as histórias? Um personagem? Um motivo que acompanha – e une – estas HQs?
purpura2
“Púrpura” é tudo isso na visão do escritor Pedro Cirne e do artista Mário César. Além deles, mais 16 artistas nascidos em países lusoparlantes – ou lusófonos por adoção – emprestam seu talento a esta graphic novel:
De Cabo Verde: Sai Rodrigues
Guiné-Bissau: Dito Buanh e Manuel Júlio
Luso-angolanos: Osvaldo Medina e J. Mascarenhas
Moçambicano: José Lopes
São Tomé e Príncipe: Ismaël Sequeira
Timor Leste: Bruna Rosário
França: Elodie Lacaze
Brasileiros: Clarissa Ricci, Wagner Porto e Nemie
Portugueses: Tiago Tsou, Tânia A. Cardoso, Kitty Grifo e Fernando Relvas
purpura3
“Púrpura” começou com uma sentença de morte. Literalmente. Em 1952, no interior de Angola, a avó do escritor Pedro Cirne contraiu a doença púrpura. Disseram a ela que não tinha cura… Mas tinha, e ela viveu por mais de seis décadas desde então… Morou em Portugal e no Brasil, contando muitas histórias − inclusive esta: nem tudo é o que parece.
Uma condenada à morte pode ainda viver por muito, muito tempo… A partir disso, e da vontade do autor em conhecer outros países lusófonos, nasceu este livro com oito histórias, cada uma ambientada em um país de língua portuguesa e que traz uma nova e pungente acepção à palavra “púrpura”.
purpura DADOS TÉCNICOS
Número de páginas: 96
Formato: 21×29 cm, cor
Editora: Sesi-SP
Onde comprar:  Editora do Sesi-SP (https://www.sesispeditora.com.br/), Amazon e Quanta Academia de Artes [r. Dr. José de Queirós Aranha, 246, Vila Mariana, São Paulo)]

Participe com sua opinião!