em

Novo Playtest para Pathfinder RPG

Um novo Playtest foi liberado pela editora americana Paizo há algumas semanas e diz respeito ao livro Ultimate Combat, o livro apresentará novas regras voltadas aos personagens mais ligados ao lado “marcial” das aventuras para os jogadores de Pathfinder RPG. Os guerreiros, cavaleiros (cavaliers), rangers, bárbaros tem sua vez, com armas e regras novas para chutar a bunda dos adversários nas infinitas aventuras que os jogadores vivem em seus mundos de aventura (no caso de Pathfinder RPG especialmente em seu mundo oficial, Golarion). Três novas classes apresentadas no livro foram o assunto desse primeiro Playtest e chamam atenção por não serem exatamente classes básicas, elas são classes alternativas, versões diferentes de classes já existentes, mas para efeito de pré-requisitos (Classes de Prestígio por exemplo) e outros efeitos não explicados elas seriam a mesma coisa que a classe básica da qual são derivadas. Também não é possível ter níveis entre classes que são consideradas alternativas a sua. Um Gunslinger (pistoleiro) por exemplo, não pode ter níveis de guerreiro devido o fato dos pistoleiros serem uma classe alternativa aos guerreiros.

Um forma interessante de se pensar nas classes alternativas (e que de certa forma é o que foi demonstrado pelos exemplos desse playtest) é que temos a mesma classe, mas fortemente influenciada por uma cultura ou época de onde ela vem. O Ninja é a versão oriental de um Ladino, já os horandos Cavaleiros possuem nos Samurais irmãos de combate. Isso permite criar cenários mais ricos com uma variedade considerável de classes de acordo com cultura aonde a classe é inserida.

Por outro lado o Gunslinger é uma classe de combate, mas não se parece, em regra, com o Guerreiro, mesmo sendo uma classe alternativa do mesmo, por que isso? Podemos observar talvez uma outra decisão de designer para as Classes Alternativas, que é ajudar a controlar o número de novas possibilidades que são inseridas com novas classes. Quantas mais forem lançadas inevitavelmente a chance de combos absurdos tende a surgir. Como o Guerreiro e o Gunslinger não podem ter niveis um do outro isso pode evitar (um pouco) que classes próximas em suas funções de combate possam se favorecer de certas habilidades da outra.

Das 3 classes apresentadas, posso garantir que o grande astro desse playtest é com certeza o pistoleiro. Ele tem bem mais espaço, com direito a talentos e itens mágicos voltados a classe, além de uma explicação sobre como funcionam as armas de fogo em Pathfinder RPG. A classe alternativa do guerreiro possui Grit, que pode ser traduzido como bravura, coragem ou destemor e é um medidor de poder do pistoleiro. Baseada no atributo Sabedoria (???) os pistoleiros gastam pontos de Grit para realizar suas façanhas (Deeds), um conjunto de habilidades liberadas nível a nível que caracterizam o pistoleiro como o grande mestre das armas de fogo. Temos desde tiros localizados causando estados especiais nos alvos até feitos curiosos como abrir portas, destruir fechaduras e mover objetos pequenos com seus tiros simulando aquela famosa brincadeira dos experientes pistoleiros com o chapéu dos pobres cidadões. A façanha final do Pistoleiro é escolher gastar pontos de Grit para transforma um acerto critico em um ataque mortal, que pode ser resistido é claro, mas sempre deixa muitos mestre de cabelo em pé, indiferente de ser adquirido nos níveis mais altos.

A classe seguinte, o Ninja, parece uma mistura clara da classe Monge com a classe Ladino, ganhando a habilidade Ki Pool (como o Monge) que oferece pontos de Ki para serem gastos em ataques extras e movimentação (como a classe Monge novamente) e adicionalmente bonificação nas perícia Jump e Stealth. O Ninja ganha Sneak Attack ou ataque furtivo (como são conhecidos por aqui) como a classe dos Ladinos e é possível acrescentar efeitos adicionais gastando pontos de Ki em Ninja Tricks (Truques Ninja). Por sua vez os Ninja Tricks não se limitam apenas a efeitos adicionais para ataques furtivos fazendo com o Ninja o que as habilidades Deeds ativadas pelo gasto de pontos de Grit fazem ao Pistoleiro. Oferecem uma quantidade considerável de habilidades aos poucos liberados por nível, que caracterizarão a classe Ninja como é conhecida. As habilidades vão de clones, habilidades acrobaticas e furtivas ampliadas, chuvas de estrelas ninjas e até efeitos especiais com bombas de fumaça.

Mas na minha sincera opinião a grande cereja do bolo do Ninja vem com a habilidade Light Steps adquirida no nível 6 que permite ao ninja andar sobre qualquer superfície, seja água ou lava vulcanica ou até o topo das arvores com metade do deslocamento. Se já não basta ser divertida, ela ainda permite utilizar esse movimento para se deslocar na vertical, subindo paredes e ainda evita que se ative armadilhas que normalmente acionariam quando o personagem pisasse sobre elas…

A habilidade final do Ninja se chama Hidden Master e permite ao ninja conjurar a magia Greater Invisibility sobre ele mesmo pelo custo de 2 pontos de ki. Invisível com essa habilidade, o Ninja pode trocar quantos dados quiser de seus dados extras, adquirido de um ataque furtivo, em penalidades em um atributo especifico do alvo. Como estamos falando do nível 20, podemos ter um atributo só com penalidade de -10 em apenas 1 ataque!

O Samurai é uma classe alternativa a classe do Advanced Player Guide de Pathfinder RPG chamada Cavalier (cavaleiro), com a mesma habilidade challenge, montaria e as ordens. Uma curiosidade para os Samurais é que a classe pode escolher não apenas as ordens oferecidas pelo livro (nesse caso o Ronin e a Order of the Warrior) mas também as disponíveis para a classe Cavalier assim como também a classe Cavalier pode escolher as ordens oferecidas pelo Samurai. Suas habilidades dão ênfase a visão do samurai como um personagem determinado e devotado e isso pode ser verificado em suas principais habilidades fora as já descritas acima, são elas o Resolve (determinação, força de vontade) e seus “stands” (honarable stand e last stand).

O Resolve é a medida de determinação do samurai, alimentado por vitórias em challenges ele ganha pontos que podem ser gastos ativando estados aonde o Samurai se torna “indestrutível” devido sua determinação ganhando uma série de bonificações e imudades, rerolagens a testes de resistência ou até mesmo a capacidade de se estabilizar mesmo depois de ser levado a menos de zero pontos de vida. O Honorable Stand e sua “evolução” o Last Stand acontecem em meio a habilidade challenge aonde o samurai resolve  levar seu combate até o fim, a qualquer custo. Em sua habilidade final o Last Stand, todos os ataques causados ao samurai terão dano mínimo exceto pelos acertos críticos tornando o Samurai imortal contra quase (quase… ) todos os ataques causados a ele que não são oriundos do seu adversário escolhido na Challenge.

É possível observar que todas as classes apresentadas possuem um “atributo extra” (grit, resolve, ki) que oferece pontos que podem ser gastos em habilidades, será que isso pode se tornar uma tendência no designer mais à frente? Quem sabe de acordo com a recepção do público? Também gostei da forma dada as classes Gunslinger e Samurai para recuperarem respectivamente seus pontos de Grit e Resolve. Torna mais divertido saber que o Gunslinger recupera pontos com atos de destemor e acertos críticos e o Samurai após vencer batalhas com seu challenge. Dá bem mais enfase ao que a classe é, mas também torna-a bem menos genérica e bem mais especifica, mas como falamos de uma classe alternativa a uma original, por que não?

Claro que tudo isso pode mudar, sendo um Playtest, a Paizo também busca saber se a mudança será bem vinda. Da minha parte ao menos quase tudo me pareceu bom. É difícil não deixar de observar as mudanças e escolhas de designer da Paizo, elas são influentes naqueles que se mantiveram fiéis as regras da edição 3.x de D&D. E os fãs de Tormenta RPG não ficam de fora dessa, não é a toa que ha uma inspiração clara das classes de Tormenta RPG em Pathfinder RPG, o que impede do que vem mais a frente não influenciar também?

O livro Ultimate Combat terá 256 páginas e sairá em agosto desse ano no valor de 39,99 dólares. Seu playtest pode ser baixado no site da Paizo e ainda está disponível para visualização online no SRD (System Reference Document) do jogo Pathfinder.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Audaz

Publicado por Phil Souza

Fortuna Crítica: Ninguém me Convidou – Jouralbo Sieber e Allan Sieber

Resenha: Justin Bieber: Never Say Never