em

Movie Tunes – 50 anos de James Bond

Sim, são cinquenta anos de músicas que marcaram época e criaram uma tradição que existe até hoje: as músicas temas dos filmes de James Bond. E não, eu não estou falando somente da música abaixo.

[youtube]http://youtu.be/M5U1NV6H2PY[/youtube]

James Bond ficou marcado por sua Walther PPK, por seu gosto por martinis batidos e não mexidos, por só sair com deusas e se meter nas piores intrigas internacionais e sequer despentear o cabelo. Junte-se a esses fatores uma música tema para cada um de seus filmes, cantados por artistas famosos na época do lançamento e pronto, temos a base para os temas de Bond.

Edição comemorativa "O Melhor de Bond, James Bond"
Edição comemorativa “O Melhor de Bond, James Bond”

 

Ainda assim, os temas pops tocados nos filmes de Bond tem outro elemento, com algumas excessões que eu vou explicitar aqui mais pra frente, e é de pegar elementos da trilha padrão de Bond, essa do John Barry (ou Monty Norman, não vou entrar em discussão sobre quem escreveu a música) que eu postei aí em cima, e criar o tema.

O interessante de se ver em relação a todas as trilhas de James Bond é que podemos analisar com elas a evolução da música pop desde 1962 até hoje. O vídeo abaixo ilustra bem isso:

[youtube]http://youtu.be/FGV7CvD8ufk[/youtube]

As músicas temas de cada filme da série variavam de tom. Algumas eram mais animadas, um pop rock e outras eram mais melodramáticas como as três cantadas por Shirley Bassey. A rara excessão é “Live and Let Die” de Paul McCartney que já existia previamente a existência do filme e ainda assim ficou marcada na carreira solo do cantor, em sua era pós Beatles.

A partir dos anos 80, começou-se a intercalar o pop rock com as músicas mais melódicas, o que vem seguindo até hoje. Quem deu início a essa onda toda foi o Duran Duran com “View to a Kill” de 1985 e “Living Daylights” do A-Ha. Após isso tivemos Pretenders, Tina Turner, Garbage, Madonna, Jack White, Chris Cornell e agora Adele.

Mas nenhuma destes conseguiu a honra de se apresentar pessoalmente na abertura de nenhum dos filmes, com a exceção de Sheena Easton.

[youtube]http://youtu.be/NGrptJTswNg[/youtube]

Há ainda alguns casos, como o filme Living Daylights que tem duas músicas de bandas famosas tocadas. No começo do filme temos a música tema oficial, feita pelo A-Ha e nos créditos finais e em sua versão orquestrada, “If There Was a Man” do Pretenders que, se me dão o direito de falar, é muito melhor do que a música do A-Ha.

O gostoso de rever todas essas mais de 20 músicas das trilhas clássicas de James Bond é ver a mudança do estilo e até mesmo do público no qual os produtores se focalizavam na hora de fazer as trilhas. Por mais que se possa dizer que as primeiras músicas das trilhas de bond eram o que se pode chamar de pop na época, ao chegar nos anos 70 é que vemos a adaptação do estilo inglês de Bond ao novo cinema comercial mais focalizado em cenas de ação exuberantes e músicas mais direcionadas a um público mais abrangente.

Agora, com a certeza de mais um Bond a caminho, ficamos no aguardo de mais uma música marcante, apesar de que as da geração de Daniel Craig como Bond são esquecíveis, ao contrário das da geração Pierce Brosnan que foi a mais marcante, pelo menos daqueles que eu vi, e isso eu posso dizer que venho assistindo desde o primeiro de Timothy Dalton. Os mais antigos, claro, são clássicos, mas para a nova geração as músicas mais antigas parece sessão madrugada da Melody FM. Não que sejam ruins, mas são de outra época.

Na semana que vem estou de volta.

Deixe sua opinião

Com Ingress, o Google estreita a realidade com o universo digital

Maravilhe-se com as instalações noturnas de Lee Eunyeol