em

O despretensioso “Família Vende Tudo” é retrato do Brasil

“Este é um filme sobre família. Uma família tipicamente brasileira, bem interessante, bem peculiar, bem brasileira”, afirmou Lima Duarte em coletiva de imprensa com o elenco de “Família Vende Tudo” na segunda-feira dia 06 de junho em São Paulo. O consagrado ator aceitou o desafio de interpretar Ariclenes, o pai de uma família pobre que mora na periferia de São Paulo e que “vende tudo, vende a própria moral, a própria existência porque precisa vender”, como completou Lima.

“Família Vende Tudo”, de Alain Fresnot conta a história de uma família pobre que vive vendendo bugigangas do Paraguai nas ruas de São Paulo. Até que decidem fazer dinheiro atirando Lindinha (Marisol Ribeiro), a bela filha, nos braços de um cantor famoso em busca de uma possível gravidez e, consequentemente, uma gorda recompensa.

Incontestavelmente do gênero comédia, “Família Vende Tudo” poderia facilmente ter se transformado em um drama. Pois, estampado nos jornais, constantemente, estão histórias como esta – é o famoso golpe da barriga. O caso mais recente é o do atacante do Santos F.C. e da Seleção Brasileira: Neymar vai ser papai (não que tenha sido uma premeditada gravidez, afinal o casal pode, sim, estar apaixonado). Assim como ele, para sair do ambiente futebolístico, a apresentadora Luciana Gimenez também engravidou de Mick Jagger, dos Stones, e existem centenas de outros casos similares.

“Na época (da produção do filme), o que chamou a atenção foi o caso do Latino”, disse Fresnot, o diretor do longa brasileiro. O cantor já teve três filhos com fãs, além da menina com Kelly Key e é possível ver mais marcas de Latino pelo filme, como a própria música de sucesso de Ivan Carlos, o cantor brega de “Família Vende Tudo”, vivido por Caco Ciocler (Melhor Ator no Cine PE). Latino se identificou com o filme, obviamente (afinal, é quase a história de sua própria vida), e passou a dar aulas de sedução para Ciocler, que garantiu que seu personagem não foi inspirado no cantor. Ciocler gravou as cenas dos shows de Ivan Carlos para o filme em alguns dos shows do Latino em 2008 e disse que tê-lo acompanhado ajudou a “separar o que era do meu imaginário e o que era real”. O arranjo musical, que não podia ser outro para o filme, se completa com Arrigo Barnabé.

“Família Vende Tudo” não é pretencioso no sentido de uma obra-prima e, segundo Fresnot, também não buscou retratar estereótipos de uma família brasileira. “(O filme) é um recorte, uma lente de aumento nesse Universo do vale-tudo, do tudo pela fama, por um lado e da diluição dos valores, por outro”, explicou o diretor. Ele também disse que o filme revela “um prazer, um pouco sádico, de tentar fazer um filme em que as pessoas se identificassem com a família”, mas por um viés que buscasse o não convencional. E, de fato, os personagens conseguem cativar, mesmo que por meio do absurdo.

Marisol Ribeiro (Melhor Atriz no Cine PE), que sempre interpretou papeis de moça frágil na TV, considera sua personagem Lindinha “uma menina bem comum, bem normal, que está lutando para sobreviver, está ajudando a família que está desesperada. Ela não tem preconceitos, é descolada, porque o brasileiro é assim, faz de tudo para se virar”, afirmou a atriz.

Aliás, além de quebrar tabus, paradigmas, como analisou Vera Holtz, que interpreta a mãe da família, o filme também retrata a liderança das mulheres, muito comum nas classes populares, segundo Fresnot. Até Jeniffer, personagem de Luana Piovani na trama que vive a mulher traída de Ivan Carlos, consegue mostrar certa força e uma espécie de emancipação feminina.

No Festival de Cinema de Pernambuco, o filme foi aclamado pelo público, que se divertiu do começo ao fim. E apesar de ter saído com prêmios, como o de Melhor Ator e Atriz para Ciocler e Marisol Ribeiro, além do merecido Melhor Ator Coadjuvante para Robson Nunes, que está sensacional na pele do irmão religioso de Lindinha, “Família Vende Tudo”, definitivamente, não agradou a crítica. Rodrigo Fonseca, crítico de cinema de O Globo do Rio de Janeiro, por exemplo, deu nota zero para o longa.

Longe de ser um filme para ficar marcado no cinema nacional, o despretensioso “Família Vende Tudo” também não merece nota zero, de forma alguma. Ele é, simplesmente, um filme de família, como bem definiu Lima Duarte, uma família tipicamente brasileira. E vale a pena pelas gargalhadas.

A estréia do longa estava marcada para o dia 17 de junho de 2011, mas foi adiado sem data definida. Aguardemos novidades para que o filme ganhe o grande público.

[xrr rating=3/5]

Título: Família Vende Tudo

Estreia: 17 de junho de 2011

Direção: Alain Fresnot

Ano: 2009

Participe com sua opinião!