em , ,

TopTop CurtiCurti UauUau

Rosa e Momo: drama convencional marca grande retorno de Sophia Loren

As relações que começam com estranhamento sempre evoluem para relacionamentos inesquecíveis, que mudam a vida da gente, e família é o grupo de pessoas unidas por amor e cuidado, não por laços de sangue. Estas lições já foram ensinadas por muitos filmes, de modo que Rosa e Momo, novo filme da Netflix, poderia parecer só mais um entre tantos no mundo. Mas ele não é, graças à presença da diva Sophia Loren, que estava longe da tela grande desde 2009, mas foi convencida por seu filho Edoardo Ponti, diretor de Rosa e Momo, a voltar para contar essa história.

Mohamed, ou Momo (Ibrahima Gueye), é um garoto senegalês órfão de 12 anos. Quem tem sua guarda é o Dr. Coen (Renato Carpentieri), mas ele é muito mais rebelde que as outras crianças de quem o médico cuida. Momo vive roubando pelas ruas, e sua mais recente vítima foi a ex-prostituta Rosa, que teve dois candelabros furtados por Momo. Quando Dr. Coen vê os objetos, obriga Momo a devolvê-los, pedir desculpas… e pede a Rosa que fique com Momo, já que ela atualmente cuida de outras duas crianças, Iosif e Babu, filhos de prostitutas e mais novos que Momo. Rosa aceita, mas só por dois meses e mediante pagamento.

No apartamento abaixo de Rosa, vive Lola (Abril Zamora), uma transexual espanhola e ex-campeã de boxe, respeitada pelo bairro todo porque, segundo Momo, “quem não a respeitasse, ela quebrava a cara”. Por falar em bairro, é na vizinhança que Momo consegue um trabalho extraoficial, como traficante, e um oficial, como ajudante na loja do comerciante muçulmano Halim (Babak Karimi), que leva a cabo um projeto pessoal de restaurar um tapete com um leão bordado. Em atrito com a maioria destes personagens, Momo descobrirá que Rosa e ele têm muito em comum.

O título original é “La Vita Davanti a Sé”, ou A Vida Pela Frente, que também é o nome do livro de Romain Gary, publicado em 1975, que deu origem ao filme. Em 1977, a história foi adaptada para o cinema com o título Madame Rosa – A Vida à Sua Frente, filme protagonizado por Simone Signoret. Nesta adaptação, Rosa cuida de um menino vindo da Algeria, e não do Senegal, e há outros personagens que não aparecem na nova versão, como o pai de Momo e uma editora de cinema. Considerando estas mudanças, podemos dizer que Edoardo Ponti, Ugo Chiti e Fabio Natale, responsáveis pelo roteiro, decidiram jogar luz sobre a vida de outros excluídos na Europa, como imigrantes negros e transexuais.

Sophia Loren e o filho, o diretor Edoardo Ponti

Sophia Loren, aos 86 anos, tem ainda nos olhos o principal ingrediente para sua atuação. Uma crítica menciona que, para Rosa, cada ruga e linha de expressão em seu rosto conta uma história, muitas delas sobre os horrores que ela viveu. Por isso, é acertado trazer Sophia despida da aura de diva, porém ainda carismática e expressiva. Embora Sophia seja o destaque do filme, o estreante Ibrahima Gueye não fica longe. O menino se sai muito bem em uma cena que demanda fragilidade, depois de tanto tempo com Momo tentando mostrar que é forte. Destaca-se também a escolha de Abril Zamora, uma atriz realmente trans interpretando uma personagem trans que não é um desfile de estereótipos.

É uma ótima decisão começar o filme por uma cena final, que não dá nenhum spoiler, e a partir daí narrar o ocorrido em flashback. Por causa disso, é até possível perdoar as partes previsíveis do enredo, que adicionam sim dramaticidade mas não causam surpresa. Mesmo com flashback, trata-se de uma narrativa convencional, e por poucas vezes com narração de Momo.

A história de imigrantes e o choque cultural e até mesmo religioso que ocorre com os africanos que chegam à Europa já é há alguns anos tema recorrente no cinema francês, em filmes como Samba (2014), Tudo o que nos Separa (2017) e Boas Intenções (2018). Sabemos, através do cinema, que a França é palco de conflitos diversos, gerais e particulares, entre imigrantes e locais. Rosa e Momo mostra conflitos numa cidade litorânea da Itália, conflitos estes causados pelas muitas diferenças entre os protagonistas: diferença de idade, de religião (Rosa é judia e Momo muçulmano), de origem. A mensagem é que não é o que nos separa que nos define, mas o que nos aproxima – uma mensagem transmitida através de excelentes performances.

Nota: Excelente (4 de 5 estrelas)

Rosa e Momo: drama convencional marca grande retorno de Sophia Loren
4 / 5 Crítico
Avaliação
Publico (0 notas) {{ reviewsOverall }} / 5
Reviews Deixei sua nota!
Order by:

Be the first to leave a review.

User Avatar User Avatar
Verificado
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

This review has no replies yet.

Avatar
Show more
Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixei sua nota!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Audaz

Publicado por Letícia Magalhães

VerificadoEscritorCinéfiloFanáticos por SériesPromotor(a)

McFly lança álbum “Young Dumb Thrills”

“Contos Negreiros do Brasil” em cartaz on line no mês da Consciência Negra