em

The Raid: Redemption

Operação Invasão, como este filme foi comercializado nos distribuidores nacionais, é o terceiro filme do diretor e roteirista Gareth Evans e o segundo a ser filmado na Indonésia.

Para todos os efeitos, esse filme tem que ser visto apenas com o intuito de aproveitar das cenas de ação, lutas e tiroteios com os clichês padrões de mocinhos e bandidos se perseguindo em um espaço confinado – no melhor estilo ação anos 80.

Em The Raid: Redemption, um grupo de policiais tem de invadir um prédio residencial convertido em depósito do crime, onde usuários de droga se reúnem nos andares inferiores enquanto o chefão comanda tudo da cobertura do prédio. Parece até roteiro de videogame em que os capangas mais fracos ficam na parte debaixo do prédio e a dificuldade vai aumentando conforme se sobe no prédio.

Ainda assim, o filme respira novos ares saindo da mesmice do filme de ação comum. Neste caso, o que se vê são cenas de ação rolando por corredores estreitos em que, de alguma forma, a câmera consegue correr de um lado para o outro, praticamente evitando-se tomadas estáticas a não ser em algumas externas do prédio. O estilo de luta usado no filme, chamado silat, no qual o ator principal, Iko Uwais é especialista se encaixa bem e tem uma dinâmica diferente e bem aproveitada pelo diretor.

 

A situação em que os policias se encontram logo que são descobertos, presos entre grupos de traficantes, bandidos, drogados e assassinos é uma clara homenagem a “Duro de Matar” e “Assalto à 13º DP” de John Carpenter ou até mesmo, em uma escala menor, “Selvagens da Noite“. Não há saída senão fugir e espancar e matar muita gente até o fim do filme.

A selvageria de algumas cenas, com sangue escorrendo pelo corpo dos personagens e a deterioração da situação em que eles se encontram é digno dos melhores filmes de ação que poderiam sair do oriente, ainda mais com um refresco no gênero advindo de filmes como “Ong Bak” que trouxe a Indonésia ao cenário mundial de filmes de artes marciais nos últimos 10 anos.

O uso de um ou outro momento de slow motion, apenas para dar mais efeito aos impactos e golpes é bem batido no cinema atual, mas ainda assim fica bem no filme que não mede qualquer tipo de censura à própria violência. Ainda assim as lutas e tiroteios pregam pelo máximo do realismo, evitando-se o uso de fios para realismo extremo.

Em diversos momentos, quando se poderia aplicar o famoso clichê das armas sem munição para a luta mano a mano continuar, vemos alguém pegar uma arma e colocar na cabeça do adversário e explodir seus miolos. Hiper realismo em escala condominial!

Esqueça a história principal e a razão daquele grupo de policiais entrar no prédio em uma missão que aparentemente é suicída. Assista The Raid: Redemption (Operação Invasão) com os amigos e se relembre de como filmes de ação em espaços confinados como “Assalto à 13º DP”(o original de 1976 de John Carpenter) e “Duro de Matar” são bons de assistir quando se quer dar uma trégua ao cérebro sem se entregar a ação extrema estilo Michael Bay.

Participe com sua opinião!

Pró Player

Publicado por J.R. Dib

GamerCinéfiloMusicólogo

“À Beira do Caminho” cai na armadilha da previsibilidade

Tim Burton se perde totalmente em “Sombras da Noite”