em

Ilha de Paquetá vence batalha por poesia

Administrador é exonerado após arrancar placas com poesias feitas por moradores

A pequena e bucólica Ilha de Paquetá no Rio de Janeiro está vivendo dias agitados. Tudo por conta do cenário político nacional e da guerra particular de um servidor comissionado contra a poesia. Apoiador de primeira hora do presidente eleito Jair Bolsonaro, o suboficial da reserva da Força Aérea Brasileira, Edson Moreira Brígido, que se autointitula Barão da Pontinha – em referência a um rochedo sem habitantes na Ilha da Madeira, em Portugal, e autoproclamado autônomo pelo seu proprietário, condição não reconhecida por nenhuma nação -, assumiu a administração do vilarejo e foi exonerado em questão de dias. O estopim foi a briga de Brígido, nobre imaginário, contra as forças ocultas da poesia. Ex-candidato a deputado com inexpressiva votação, Brigido teve seu nome referendado como administrador da Ilha pelo prefeito Marcelo Crivella do Rio de Janeiro e pelo PSL, partido controlado pela família Bolsonaro, a quem fez campanha explícita e tenta demonstrar proximidade através de postagens em redes sociais.
Em sua atuação burlesca de briga contra a poesia Brígido mandou retirar plaquetas com frases e poemas feitas e colocadas pelos próprios moradores em vários pontos da localidade. A ação desagradou os locais. O Barão da Pontinha, que já era acusado de assediar e pedir a transferência de funcionários que não tinham votado em seu candidato a presidente, desagradou os locais com sua atitude autoritária e despropositada e teve sua exoneração publicada na manhã desta segunda-feira (05).
Moradora de Paquetá, tradicional ponto de concentração e refúgio de artistas, a professora Cristina Campos, 57, destaca o desgosto com a atitude do ex-administrador:
“É um choque. A gente aqui tenta criar um ambiente diferente da cidade. A gente tem essa sensação de estar seguro e de amizade com todos. Aqui existem muitos artistas e a gente vive junto. Nós vivemos a cultura, a alegria e a beleza. E de repente chega uma pessoa com essa atitude. Isso é muito agressivo para a gente”.
Nenhuma das peças retiradas por Brígido oferecia riscos ou prejudicava o crescimento das árvores locais, protegidas por lei, pois estavam penduradas com fios ou arames.

Participe com sua opinião!

Navegante

Publicado por Marcelo Adifa

Festival Internacional de Circo do Rio de Janeiro de 8 a 18 de novembro

Jogo dos 7 (graves) erros do filme Bohemian Rhapsody