em

Crueldade Nazista revelada em revista Marvel

“A força dos Estados baseia-se nos grandes homens, que lhe nascem na hora certa” – Friedrich der Große

Na iminência do lançamento de Capitão América – O Primeiro Vingador no mundo todo, a Marvel Comics escolheu o momento perfeito para lançar uma minissérie que mostra a origem de seu arqui-inimigo, o Caveira Vermelha, sob uma ótica histórica e realista. Greg Pak, responsável pelo excelente material “Magneto: Tempestade”, buscou mostrar o outro lado da crueldade da Segunda Guerra Mundial, desta vez saindo do lado do polonês e mergulhando com tudo no universo nazista para criar Red Skull: Incarnate.

Pak, além de escritor de quadrinhos, é também um grande pesquisador histórico, e utiliza suas duas paixões de forma útil e agradável, produzindo histórias que retratam momentos inesquecíveis da humanidade. Sendo assim o autor contextualiza o pequeno Johann Schmidt no amor nazista que se espalhava vagarosamente pela Alemanha. Quem prestou atenção nas aulas de história da escola deve se lembrar que o governo de Adolf Hitler foi erguendo-se aos poucos e a própria polícia alemã tratava as primeiras passeatas nazistas como vandalismo – o que é mostrado na história.

Estamos em Munique no ano de 1932. Johann é um garoto perturbado, fruto de um orfanato bruto e rústico, no qual aprende a perder o pouco que lhe resta de escrúpulos. É ali que ele tem contato com as primeiras influências políticas que o moldariam em um dos grandes inimigos do capitalismo e da igualdade. A luta pela perfeição ariana ainda não é explorada na primeira edição, mas o contexto histórico alemão é tão bem situado que Pak é capaz de colocar o leitor dentro da história, seja ela real ou fictícia.

Ao lado de Pak estão os artistas David Aja (capas) e Mirko Colak (arte interna). Ambos acrescentam os detalhes visuais necessários para uma narrativa crível da propaganda nazista e do surgimento de um dos mais crueis personagens da cultura pop. A capa da Aja é fantástica, não somente pela arte estilizada no envelhecimento, mas também por basear-se completamente na estética da Propaganda Nacionalista Alemã, uma grande escola política do fascismo.

O início da história de Johann é muito bom e esta leitura é recomendada a todos que gostam de uma boa história em quadrinhos, em especial por ser adulta e embasada em fatos reais. Certamente as pessoas que não suportam muitas crueldades ficarão um pouco desconfortáveis com uma narrativa tão crua, mas o resultado final compensa. Uma revista que consegue mexer com o sentimento do leitor a ponto de ser perturbado tem um mérito quase incalculável.

Red Skull: Incarnate #1
Roteiros: Greg Pak
Arte: Mirko Colak
Capa: David Aja
Cores: Matthew Wilson
Editora: Marvel Comics
Preço: US$ 3,99

[xrr rating = 5/5]

Participe com sua opinião!

Street Fighter

Publicado por Morcelli

ColecionadorCinéfiloGibizeiroRepórterSuper-fãs

Assalto ao Banco Central é uma roubada

As melhores aberturas da TV também concorrem no Emmy 2011