em ,

CurtiCurti TopTop

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O’Neil

Um spin-off da Liga Extraordinária

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O'Neil | Críticas | Revista Ambrosia

Há oito anos tratamos do anúncio dos spin-offs da Liga Extraordinária de Alan Moore e Kevin O’Neill. E analisar um trabalho escrito pelo Bruxo de Northampton é complicado, pois Moore abrange experiências em seu ofício, seja no ritmo, nos temas, nos personagens e na própria trama de suas obras. Um verdadeiro desafio, pois este livro, por mais curto que seja, precisa ser cuidadosamente explicado e analisado antes de dar-lhe uma nota, então aqui vamos.

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O'Neil | Críticas | Revista Ambrosia

Sinopse

Estamos em 1925. Quinze anos se passaram desde que Janni Dakkar fugiu de seu pai, apenas para aceitar seu destino como a nova “Nemo”, capitã do lendário Nautilus. Entediada com sua vida de intermináveis saques e destruição, Janni parte numa grandiosa expedição para superar a grande falha de seu pai: a exploração da gélida Antártida. No seu encalço, entretanto, está um trio de inventores contratado por uma figura influente no mundo empresarial, que deseja recuperar os tesouros roubados de uma rainha africana. É uma corrida mortal até o fim do mundo – uma terra desconhecida repleta de terrores, onde o tempo se perde e as montanhas enlouquecem.

Análise

Mesmo que não tenha o nome de A Liga Extraordinária no título, é muito dele. Como um spin-off, ocorre entre o primeiro e o segundo livro de A Liga Extraordinária: Século, especificamente, entre 1909 e 1969), protagonizado pela filha do Capitão Nemo original. A história aqui é bastante simples, como Janni, filha de Nemo, tenta fazer algo que seu pai não tinha alcançado: explorar a Antártida completamente. E pela memória do pai e para si mesma, ela toma a si mesma para completar esta jornada intacta.

Ao contrário de A Liga Extraordinária: Século, não temos uma narrativa dividida em três partes, mas sim uma única estória. Tomando o estilo europeu em vez do americano, tem apenas 56 páginas, numa edição em capa dura, caprichada na reimpressão da Devir, seguindo o estilo de um ”bande-dessinée’ francês. Embora seja um menor número de páginas quando comparado com os volumes anteriores da série, especialmente quando comparado com O Dossiê Negro com suas 200 páginas cheias de quadrinhos e informações enciclopédicas sobre todo o mundo literário criado pelo roteirista, ainda faz um trabalho admirável em contar uma história concisa e direta.

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O'Neil | Críticas | Revista Ambrosia

Ainda assim, Coração de Gelo (Heart of Ice) é um peculiar tipo dentro da tradição de toda a série, pois não conta completamente uma narrativa perfeitamente compreensível e fácil como o dois primeiros volumes, enquanto não brinca muito com o conceito de um mundo literário com personagens de importantes obras de literatura que convivem no mesmo mundo, assim como fez em Século e O Dossiê Negro. O que faz é jogar entre as duas linhas, dando um pouco dos dois tipos de histórias, misturando-a para agradar tanto os fãs de literatura quanto entusiastas de narrativas gráficas. Há, é claro, referências; adicionando alguns personagens em segundo plano ou alguns conceitos na história a outros livros desta época em particular, embora faça muito menos neste livro.

É claro que a identificação dessas referências e alguns dos conceitos-chave do livro requer um pouco de fundo na literatura, já que Moore realmente não tenta segurar a mão de seus leitores ao longo do caminho. Quem não conhece alguns dos personagens ficará infelizmente perdido, até que faça uma pesquisa para compreender algumas de suas escolhas na história.

No entanto, isso não significa que o enredo central do livro é incompreensível. Longe disso, na verdade, como a premissa do livro é relativamente simples, com Janni em uma expedição à Antártida para ver exatamente o que seu pai não conseguiu fazer corretamente. Aqui, Moore faz uma homenagem a H.P Lovecraft, escrevendo um horror enigmático e absolutamente ameaçador, colocando o sentimento no auge do livro em cenas importantes.

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O'Neil | Críticas | Revista Ambrosia

Com ameaças inescrutáveis e excessivamente incompreensíveis, de maneiras sutis, mas alienígenas, até mesmo para nós leitores. Há toda uma sequência que mostra como parte da tripulação é afetada pela estranha passagem dos tempos e como são dizimados, com os quadros fora de ordem, deixando-nos com a necessidade de colocá-los adequadamente em ordem, embora estejam espalhados por várias páginas. Isso adiciona uma atmosfera ao livro, uma sensação de impossibilidade e perigo à narrativa gráfica.

Seus personagens são bastante interessantes em seu desenvolvimento, mas quem realmente brilha é a própria protagonista, Janni, a filha de Nemo.  A forma como é desenvolvida é simplesmente fantástica, começa como uma mulher forte, fria, mas insegura, que ainda precisa provar algo para si mesma e para seu falecido pai, que estava enojado com o fato de que teve uma filha e não um filho. Sua busca é de auto-aprovação, e com tudo o que acontece com sua equipe e consigo mesma, podemos ver como enxerga a si mesma e ao legado Nemo, que na verdade é uma visão fascinante sobre a personagem e o próprio conceito. A conclusão desta estória sangrenta, quando visto na perspectiva de Janni, é sincera e termina de forma positiva, apesar de todas as coisas horríveis que acontecem aqui.

A ação do livro, porém, é algo completamente diferente. Para dizer isso sem rodeios, não é o conto da Liga Extraordinária mais forte já contado, mas não é de forma alguma o mais fraco. A perseguição de Janni por Tom Swyfte não é exatamente a parte emocionante, embora o início do confronto seja muito decente, pois vemos como o mundo viam Nemo. Embora essa parte seja talvez a mais fraca do livro, o restante é bem contado, especialmente a parte de Janni explorando a Antártida e a loucura da tragédia que ocorrerá. O culminar dessas duas partes é realmente satisfatório, mas é um pouco decepcionante que a HQ não fosse maior.

Ao contrário da trama, a arte de Kevin O’Neill não tem imperfeição, retratando os desertos congelados e os mitos lovecraftianos com experiência. Os painéis e páginas, os fundos, as expressões, os pequenos detalhes na arquitetura ou as próprias criaturas dedicados à mitologia de H.P Lovecraft sozinho são de tirar o fôlego, dando beleza aos conceitos alienígenas com o senso de escopo que O’Neill possui.

A escolha das cores de Ben Dimagmaliw na maioria das páginas é surpreendentemente brilhante, elevando mais ainda o trabalho do desenhista, pois os quadros no final parecem verdadeiramente ameaçadoras com a paleta sombria que escolheu. Os monstros também parecem aterrorizantes graças às suas cores frias ao fundo em contraste com sua brandura bem escolhida nas cores.

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O'Neil | Críticas | Revista Ambrosia

Nemo: Coração de Gelo é uma HQ fantástica para os fãs da série, pois continua a manipulação aventuresca da literatura de Moore, desta vez focando no horror e em outros personagens de seu fascinante mundo. Graças à arte de Kevin O’Neill, Todd Klein e Ben Dimagmaliw, pode enfrentar o padrão estabelecido por outros livros da série e sentar-se orgulhosamente entre os outros como uma grande obra. A única desvantagem, porém, é uma inacessibilidade a novos leitores, mas vale a leitura.

Nota: Ótimo – 3.5 de 5 estrelas

Nemo: Coração de Gelo, de Alan Moore & Kevin O’Neil
3.5 / 5 Crítico
Avaliação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

#Lançamento'22 Circuito Ambrosia