em

Excelente, "True Detective" é a TV sendo adulta e precisa como poucas vezes vimos

A primeira temporada de “True Detective” veio para reeducar o espectador atual e ainda faz da TV um veículo muito melhor que a média de filmes ianques. A história criada por Nic Pizzolato está o tempo todo interessada em destrinchar seus personagens para fazer sua investigação criminal ser apenas um elemento narrativo e não a lança final do que tinha que contar. Os protagonistas, dois detetives de homicídio que vivem batendo cabeça, o cerebral Rustin “Rust” Cohle (Matthew McConaughey, ganhador do Oscar 2014 de Melhor Ator e dispensando mais apresentações nesse seu momento de carreira) e o comportado Martin Hart (Woody Harrelson, brilhante), investigam por quase duas décadas o assassinato de Dora Lange em um ritual macabro. Partindo de 1995, passando por 2002, e desembocando em 2012, os episódios expõem as personalidades de seus protagonistas que delineiam muito de suas relações mútuas e com o caso em que estão debruçados. A gente se vê enredado pelo mistério, mas somos seduzidos mesmo pelos investigadores. O ritmo lento lembra bastante outra ótima série, The Killing”, mas o subtexto de América profunda – o história se passa no Sul da Louisiana – conjugado com a boa construção dessa relação um tanto caótica e Lacaniana entre Rust e Hart fazem de True Detective” um dos grandes lançamentos do ano na TV. O último episódio estabelece um reencontro dos dois e a retomada da investigação –  o que resulta numa conclusão que não se preocupa em ser surpreendente. Mas essa nem é a questão principal da série. Quem entende isso, consegue captar por que a série é tão incrível e assertiva na tentativa de evocar dois seres em seus infernos pessoais, que precisam comungar de uma mesma obstinação (ou seria fixação?) para esclarecer o crime. Em determinado momento Rust diz “tudo é um nada e um vazio“. Desdizer isso é o princípio máximo do que o roteiro faz com seu personagem. E assim, a HBO, canal da série, entrega mais um exemplar do que de melhor tem se feito no audiovisual ianque nos últimos 20 anos.

Participe com sua opinião!

Ativista

Publicado por Renan de Andrade

VerificadoEscritorPromotor(a)CinéfiloMusicólogoFanáticos por SériesSuper-fãs

Game of Thrones no cinema?

Carlos Saldanha diz que "Rio 2" foi bem mais difícil de fazer